31 de março de 2012

Vinte e sete

Vinte e sete, 27, XXVII… Não, vinte e sete não é nenhum número da sorte ou o número do meu apartamento. É simplesmente a quantidade de anos que eu já vivi… Peraí, vinte e sete? Tudo isso? Desculpa, mas parece que foi ontem que eu ganhei o meu primeiro roller, caí no chão e abri o pulso pela primeira vez. Parece que foi ontem o dia da minha formatura do Ensino Médio, que surpreendeu todo mundo com aquela chuva durante a cerimônia, fazendo todos saírem correndo para a área coberta da escola. Parece que foi ontem que eu fiz o meu primeiro vestibular e, infelizmente, não tive uma boa notícia quando olhei o listão no jornal. Mas sim, faz vinte e sete anos que eu existo por aqui, apesar de não parecer… Nem de longe.

A verdade é que eu não me sinto como se eu tivesse vinte e sete anos. Para mim, é como se eu tivesse congelado dez anos atrás e continuado a minha vida como se eu tivesse eternamente dezessete. Por volta desta idade, eu já tinha formado e moldado todos os meus valores, conceitos de vida, meu caráter e minha personalidade; e, de lá para cá, nada mudou, eu simplesmente continuei fazendo aniversários e somando “mais um” à minha idade todos os anos. Os meus sonhos continuam sendo os mesmos e eu tenho vivido esse tempo todo atrás do que eu sempre quis, das mesmas coisas que eu queria dez anos atrás.

A vantagem de eu me sentir assim é que eu sei muito bem quem eu sou. Sei que conforme eu for vivendo mais experiências ao longo da vida, só vou amadurecer e aprender a melhor forma de me comportar perante à vida e às pessoas, mas eu não vou mudar a minha essência. Esta, sim, vai me acompanhar até o último dos meus dias e ninguém nunca vai conseguir distorcer qualquer traço da minha pessoa. Eu sou assim e se você não gosta do que vê, desculpe, mas what you see is what you get e eu não pretendo mudar nada em mim por causa de alguém.

Sou essa menina-mulher, eternal believer, engraçadinha, tola, meio criançona e extremamente sensível… Gosto de fazer coisas bobas, sou fã e idolatro meus artistas favoritos, faço manha quando acordo, dou susto na minha mãe quando ela está distraída, fico com dor de barriga quando estou com medo de alguma coisa, implico com as pessoas que eu gosto, choro quando estou nervosa, gosto de jogar videogame, tenho vergonha de falar com pessoas que eu não conheço, faço bolinha de chiclete, grito fininho quando meu irmão corre atrás de mim, adoro assistir desenhos, tenho um ursinho de pelúcia em cima da minha cama, e essas coisas…

Quem me conhece sabe que eu sou assim e a maioria das pessoas não me dá a idade que eu tenho… Mas quer saber? Eu me sinto bem assim, gosto de ser ridiculamente abobada, de aproveitar os momentos sem pensar se estou sendo infantil ou louca, de fazer o que me vier à cabeça, de me divertir e não me preocupar em agir da forma certa, de acordo com a idade que tenho, mas agir de acordo com o que eu sinto… É um crime ser assim?

Sei que sou madura o suficiente e sei os momentos em que devo me comportar de acordo com os meus 27 anos, mas em todos os outros momentos, por que não ser a minha versão mais feliz? Acho engraçado quando eu faço algo extremamente bobo e infantil, alguém acaba me perguntando “quantos anos você tem mesmo?” e a minha resposta automática é sempre “eu tenho doze”… Pois é, acho que eu sempre vou ser assim, bobinha e de bem com a vida. A minha idade verdadeira sempre vai ser uma máscara, porque eu me sinto jovem, no auge da minha vida e gosto de me sentir uma criança novamente, aproveitando cada segundo da melhor maneira possível.

Um outro fato importante de ter 27 anos e não me sentir com esta idade, é que eu geralmente me dou muito melhor com pessoas mais novas do que eu. Isso não tem a ver com a minha maturidade, tem a ver com o meu estilo de vida. Acho que tenho mais em comum com as pessoas mais jovens, já que acho tão sem graça os papos que as pessoas da minha idade costumam se interessar. Eu não quero falar sobre política, economia, aquecimento global, crise mundial e a guerra no Irã; eu quero falar sobre o último episódio de Supernatural, sobre a nova música da Madonna, sobre a minha paixão por chocolate, sobre as cores dos esmaltes da Colorama e sobre a capinha que eu comprei para o meu iPhone… E apesar do que você pode estar começando a pensar, não, eu não sou fútil… Sou extrovertida e bem humorada, gosto de falar sobre coisas que me façam bem e não sobre assuntos polêmicos que vão me deixar com raiva e com rugas…

Mas apesar dos vinte e sete anos, a minha inocência nunca foi embora — e eu ainda não descobri se isso é bom ou ruim. Muitos dos meus amigos riem de mim por eu nunca entender a malícia das coisas, e eu sei que muitas vezes eu acabo me dando mal por sempre enxergar só o lado bom das coisas, mas eu não consigo ser diferente. Para que eu vou querer viver em um mundo onde as pessoas falam tudo com segundas intenções, se eu posso viver em um mundo onde eu ainda enxergo tudo colorido? Isso não é tapar os olhos para a realidade, é apenas filtrar as coisas que me faz bem e deixar que elas ditem a minha vida…

Ter vinte e sete anos não é ter que se tornar uma pessoa séria, chata, independente e responsável. Ter vinte e sete anos é ter muito mais experiências do que quando você era mais nova, mas lembrar o quanto era gostoso ser espontânea e divertida, e optar conscientemente por viver o resto da sua vida assim.

Gostou deste post?
(0)
Comente Este Post

Deixe uma resposta para Gesiane Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

21 comentários em "Vinte e sete"
  • Não tenho palavras para descrever o quão emocionado fiquei a ler este texto, na verdade este desabafo, um grito, um tapa na cara da sociedade que, sim, está se tornando chata e pacata.

    E daí que tu tem 27 anos? Ah, gente, não vamos viver por trás de uma máscara, esse jogo é dos tempos da minha tataravó! Idade não é documento, tampouco vai nos fazer melhor ou pior que alguém!

    Vivemos num mundo que a cada dia se torna tão sem graça, sabe? As pessoas perderam a essencial, se tornaram chatas, só ligam para os bens materiais e afins…

    Fê, sabe de uma coisa? Viva a sua vida, não importa se as pessoas vão gostar do que tu escrever, fala, pensa, trabalha… Afinal, não são essas bocas de lagartos que pagam tuas contas no final do mês, né?

    Tenho 17 anos, 10 anos a mais que você hauahaah, mas minha mente ainda é de uma criança de 10 anos ou menos, e eu não vou mudar isso em mim, eu gosto de ser assim, meio bobo e infantil. É claro que há momentos de nos comportarmos e mantermos a aparência de alguém responsável e assumirmos nossa idade, mas pra tudo a um tempo.

    Sabe de uma coisa? Continua do jeitinho que tu é, pois foi assim que você conquistou muitas pessoas, inclusive minha amizade e admiração por ti. Já pensou se a gente fosse do jeito que os outros quisessem? Não ia existir graça em viver.

    Aí, acho que escrevi demais, mas nunca é tarde para dizer que o fundamental na vida de uma pessoa não é a opinião alheia, mas estar bem consigo mesmo. Você está feliz assim? Pronto, isso é o que importa. A sociedade que se foda. Vamos viver, vamos tirar nossas máscaras, vamos ser mais infantis e mais alegres!!!

    Minha cabeça começou a doer, se eu ficar aqui vou lotar tua página com essas minhas loucuras… Hahaha.

    Bjs!

    SEJA FELIZ SEMPRE! <3

  • “Para que eu vou querer viver em um mundo onde as pessoas falam tudo com segundas intenções, se eu posso viver em um mundo onde eu ainda enxergo tudo colorido?” Também penso assim!

    Apesar de tr quase 24 anos ainda continuo a ser ingénua ou inocente. Claro que toda a gente porque eu ainda acredita que nem toda gente é maldosa. Riem porque ainda confio nos outros mesmo quando me traem. Ou porque não dou uma bofetada quando me deram uma.

    Eu simplesmente sou assim e não há forma de eu mudar.

    Acho que não há mal nenhum em agir conforme se sente, em ser meio infantil. Eu ainda vejo desenhos animados e já tenho a idade que tenho. E não quero saber se os outros acham que animes é coisa de criança.

    Continua a ser tu mesma. Aqueles que te amam não tentaram mudar nada em ti. Afinal aquilo que tu és foi a razão que os levou a te amar. Se os outros não gostam, a porta é serventia da casa. :D

  • Entendo e sinto o mesmo. Este ano completo meus 25 e compartilho a maior parte dos sentimentos do seu post. Parece ontem. E nada muda.

    Parabéns, querida! Espero que possa fazer o mesmo post por muitos e muitos anos. ;]

  • Ah Fê sua linda!
    Posso copiar seu post para meu aniversário de 27, no ano que vem? rsrs Pois é exatamente assim que eu me sinto!

    As pessoas ainda se preocupam demais em criar personagens para convencer os outros do que é esperado, e no fim se perdem. Muda-se a essência…

    Parabéns pelos seus 27 bem vividos e que venham muitos outros para reafirmar que se pode sim ser feliz sendo ao mesmo tempo simples e complexa!

    Beijos, querida!

  • Me encontrei em vários trechos do seu texto, Fê.
    Eu realmente amo gente “forever young”, que nunca vai se tornar um chato que olha para os outros dos pés á cabeça e diz “vê se cresce”.
    Afinal o que é ser maduro? Acho que isso que você escreveu é exatamente maturidade, é se conhecer e se gostar. Quem fica o tempo todo tentando provar que é maduro e etc é o verdadeiro imaturo.
    Amei o texto, de verdade.
    E que venham os vinte e oito, os vinte e nove, trinta, e você sempre essa meninoca fofa!
    Beijo.

  • A nossa alma não precisa envelhecer com o passar dos dias no calendário. Eu também me esqueci de crescer, mas não vejo isso como algo ruim, afinal acho que o mundo precisa de mais pessoas como nós, pessoas que acreditam…
    Feliz 27 anos! Que você sempre se mantenha firme em quem vc é.
    Beijos e carinhos, fica com Deus!

  • Aiin, eu quero chegar nos meus vinte e sete assim *-*
    Eu imagino como deve ser assustador, às vezes nem eu acho que tenho 18 anos, às vezes fico pensando, “puxa.. já sou maior de idade!” rs! Mas acredito que a maturidade eu tenho sim, talvez não sou a mais madura de todos que tenham 18 anos, mas já passei por muitas coisas nesses poucos anos! E você que já foi até pro Canadá vem me dizer que não parece que fez 27? Qualé, já deve ter um monte de coisas pra contar pro netos.. kkkk

    Beijão Fernanda, e tudo de bom pra você! ;)

  • “Para que eu vou querer viver em um mundo onde as pessoas falam tudo com segundas intenções, se eu posso viver em um mundo onde eu ainda enxergo tudo colorido?”

    Não sei se eu acredito nisso, já que a uns meses atrás era eu quem praticamente gritava essa idéia na tua orelha.. Naquela época em que parecia que tudo estava desmoronando lembra? Eu acho que disse as coisas certas na hora certa, e tu ouviu (o que ninguém faz quando eu falo) *—*
    Mas é isso aí, vamos viver a vida do nosso geito, se importar com o que os outros pensam é pra quem tem tempo de sobra :P

  • É bem assim mesmo Fê. Parece que só porque somos meio “desligadas” do mundo somos “infantis”. Eu desisti de realmente assistir telejornal, só dou uma olhada por cima e vejo a previsão do tempo mesmo. Afinal, ficar pensando neste tipo de assunto, como tu mesma disse, só vai trazer rugas, e não vai resolver nada. Também prefiro falar de coisas mais simples e felizes, que por mais fúteis que pareçam (pois pra mim não são) são elas que realmente fazem parte do meu dia e o tornam mais alegre. O fato da Palestina estar ou não em guerra não acrescentará nada na minha vida… Meu namorado diz que isso é ser alienada, mas eu não acho. Até porque, para a minha futura profissão, se eu quero estar atualizada vale muito mais comprar uma revista científica do que ficar vendo coisas que não tenham nada a ver.
    Também sofro de passar a idéia de “não ter a minha idade” e de ser inocente demais às vezes, mas… e daí? Prefiro ter espírito jovem do que, como tu mesma disse, virar alguém séria e chata. Prefiro pensar sempre no melhor do que andar sempre desconfiada de todo mundo, apesar de que já me dei mal algumas vezes por causa disso. Espero que, assim como tu, eu tenha esta mesma mentalidade quando eu tiver 27 anos. Beijos mil! :*

  • Eu fico até assustada de como o tempo passa rápido e a gente nem percebe e percebeu que ultimamente então, parece que voa? Quando vemos já acabou o ano. Parabéns pelos seus 27 aninhos! E que sejam bem vividos! Bjoks

  • Fê! Primeiro, parabéns pelos muito bem aproveitados 27 anos! E que venham mais 27, e 27, e 27… :)
    A gente sempre se assusta com o número da idade né? É tão difícil se olhar no espelho e perceber alguma mudança… eu tb continuo a mesma desde os meus, sei lá, 16, 17 anos, mas como tu mesma disse, sei ter a idade que tenho quando é preciso, mas sem jamais deixar morrer em mim a guria de 16.
    Mudando de assunto, sempre leio seus textos, e, tu já pensou em reunir tudo e publicar um livro? Tu escreve divinamente! :)
    Beijão!

  • Feliz Aniversário atrasado!!! Tudo de bom e que Deus a ilumine hoje e sempre!!

    Ixi, parece eu no meu blog… kkkk… Estou com um texto parecido lá também! Amanhã, faço 30 anos e parece que tenho só 20… rs

    Beijinhos

  • Primeiramente, parabéns pelos seus 27 anos bem vividos!
    Olha, eu estou com um pezinho nos 30 e a maioria dos meus amigos tem menos de 25… solteiros, sem filhos, maduros… conversamos sobre tudo! desde coisas sérias a bobagens!
    Me identifiquei com você neste quesito, pois geralmente as pessoas da nossa idade levam a vida muito a sério, isso quando não são casadas ou possuem filhos. Eu sou casada e não tenho filhos por opção própria. Amo viajar e bater papo com esses meus amigos… Deus me livre conversar sobre a promoção do Supermercado ou qualquer outra coisa do tipo… tenho pavor! por vezes nem acredito que farei 30… pois não aparento e tenho cabeça de 20! Hehehe!
    Mas gostei do seu post! e é isso… nunca perca sua essência, pois é isso que a difere das outras pessoas!
    Boa semana! ;)

  • Primeiramente, parabéns pelos 27. Que para mim é um número muito bonito por sinal. :3
    Se eu chegar aos 27 com os pensamentos que você tem, eu vou ser a pessoas mais feliz do mundo. Eu morro de medo de crescer e virar uma pessoa amargurada e dura como todos esperam que aconteça. Eu tenho “apenas” 18, e já tive que renunciar a tanta coisa que me traz alegria pelo fato de “isso não se encaixar a minha idade”, mas espero algum dia poder falar com orgulho como você fez, dizer “Oi, eu tenho 27 e eu assisto desenho tomando Nescau”.
    Um beijo, e obrigada por um texto tão inspirador!

  • É… Eu estou chegando aos 24 esse ano e ainda me sinto com 17. Meio como se eu tivesse parado de contar o tempo lá por 2005, sabe? Mas no fm isso é até bom, consegeguir se manter colorida no meio de tantas coisas cinza… :)

  • Ah, que delícia este post! Menina, você falou TUDO! Farei 27 anos este ano, e apesar de estar casada e grávida de 9 meses, minha idade mental também congelou nos 17 anos. A única coisa que muda é a quantidade de lembranças que a gente carrega. Ser “adulto” não precisa ser chato, não precisa abrir mão do que a gente é, do que a gente gosta ou sonha. Também sou bastante ingênua, e me relaciono melhor com pessoas bem mais novas, acredito sim que a vida pode ser colorida para sempre, porque minha mãe é exatamente como eu, e acho que apesar das quarenta e muitas velinhas sobre seu bolo (das quais ela nãos e envergonha, muito pelo contrário), ela me ensinou que a idade a gente escolhe!
    Mil beijos, e parabéns!

  • Feeee, parabéns super atrasado! Perdi a data pois estava viajando, mas adorei o post e acho incrível como nós somos parecidas!

    Eu tbm tenho esse problema de excesso de inocência, mas infelizmente foi uma coisa já bem gasta e perdida devido a experiências que vivi nos últimos 4 anos, hoje já não tenho mais tanta inocência quanto antes, mas ainda sim preservo uma boa quantidade, e normalmente eu sou a última a entender essas coisas mais maliciosas, não sou “malandra” nem nada disso. Enfim, somos o que somos, né? E que vc continue assim: única, alegre, feliz e autêntica :D

    Beijo =***

  • AMO minha memória, e não lembrar se eu te dei parabéns ou não, mas do jeito que estava com tempo -n, acho que nem te dei, parabéns, super atrasado, mas o que vale é intenção e tudo de bom para ti, e continue assim, vendo o lado bom das coisas, pq ficar vendo tudo em preto em branco, deve ser horrível.
    ” acabo me dando mal por sempre enxergar só o lado bom das coisas”
    dizem isso de mim, mas nem sei é eu que fico vendo só o lado bom, ou se é as pessoas que tentam sempre ver o lado ruim, também nem sei se eu saindo prejudicada, digo, todo mundo “quebra a cara” vendo ou não só lado bom, então…só sei que não consigo ficar vendo como todo mundo ver, nem quero mudar
    eu gosto de conversar sobre política e filmes, gosto de conversar sobre tudo, acho importante conversar sobre coisas polêmica e coisas que “não vão mudar em nada minha vida” kkkkk brincadeira, muda sim, fico mais feliz hehehehehe