19 de junho de 2013

Minha melhor amiga é um menino…

Que minha melhor amiga (a original) não leia isso, mas a verdade é que o meu melhor amigo roubou o trono de confidente de todas as outras pessoas da minha vida e não vejo ele perdendo esse papel tão cedo. Sei que rola toda uma polêmica em relação a homens e mulheres serem amigos de verdade, mas eu não me importo com o que falam sobre isso. Não quando a pessoa em quem eu mais confio para contar todas as minhas peripécias é um homem e nenhuma outra mulher me passa a confiança que sinto com ele. Sendo assim, ele virou minha melhor amiga e estou gostando muito disso.

Sabe quando você precisa desabafar? Contar o que está te incomodando? Ouvir uma opinião alheia? Ele é sempre essa pessoa para mim. Conto também meus medos e inseguranças (entre outras coisas) para minhas amigas, mas é diferente. Com ele, eu sei que posso ser direta, não preciso medir palavras e tenho a certeza de que ele não vai concordar comigo só para me confortar, ele vai ser sincero acima de tudo. Sempre.

Amigos existem para nos fazerem bem, para compartilhar experiências e tem carta branca para serem sinceros e falar tudo o que pensam — e não para passar a mão na nossa cabeça e dizer que estamos certos (quando não estamos). E daí é que eu vejo a maior diferença entre amigas e amigos. Mulheres são mais sensíveis, querem sempre te apoiar independente do que for e muitas vezes acabam não dando os melhores conselhos. Homens são mais objetivos, diretos e não se importam em falar algo que você não quer ouvir, se aquilo é o que eles acreditam de verdade. E, apesar de eu ser mulher, me identifico mais com homens nesse quesito, porque não gosto de rodeios, de conversinha furada, de enrolação. Gosto de ir direto ao ponto, sendo o mais sincera possível, não importando se vão concordar ou discordar de mim.

A parte mais legal de poder contar as coisas para ele é que somos opostos. Discordamos de tudo e sempre temos opiniões completamente diferentes, perspectivas, expectativas, reações a situações do dia a dia e qualquer outra coisa que se possa imaginar. Mais um motivo para eu sempre o procurar para contar minhas coisas, pois ele vai abrir meu campo de visão para tirar outras conclusões e me fazer enxergar o ponto cego. Ele vai discordar de mim e me fazer pensar diferente, me dar uma nova ideia, me ajudar a entender que talvez eu esteja mesmo fazendo tudo errado. Mas não vai fazer isso só pelo prazer de discordar de mim, mas para me provar que o meu ponto de vista não é o único do mundo e que talvez eu esteja interpretando as coisas indevidamente.

Meu melhor amigo...

Além disso, com ele eu não tenho papas na língua. Falo sobre amores, medos, objetivos de vida, bobagem, sexo, relacionamentos, vontades, sonhos, desejos, personalidade e por aí vai. A lista é longa e, provavelmente, infinita. Não tenho medo de expor o que penso e não tenho medo de ouvir algo inesperado, de saber que ele acha ridículo o jeito como eu vejo certas coisas, mesmo respeitando a minha opinião. Não temos a obrigação de estarmos alinhados sobre todos os assuntos e acho que é isso que tem nos mantido unidos por tanto tempo, mesmo sendo tão diferentes. Aprendemos que somos diferentes e que não há nada que nos impeça de sermos próximos, porque apesar de todas as divergências, fazemos bem um ao outro. E isso basta.

Ele é geralmente o primeiro que eu penso quando tenho algo a contar e com quem falo com mais frequência, mesmo que seja para perguntar se está tudo bem e desejar uma ótima semana. Preocupo-me quando fico alguns dias sem ouvir notícias dele e o meu dia fica mais alegre quando trocamos algumas palavras. Gosto de saber a opinião dele sobre tudo e adoro o nosso jeito implicante um com o outro. Corro para ele sempre que tenho crises de ansiedade, quando estou com medo que algo dê errado ou quando tenho uma notícia para compartilhar. Ele ocupa um dos papéis mais importantes da minha vida e morro de medo de um dia perder isso.

Sei que no que depender de mim, ele sempre fará parte da minha vida. Não importa o que falem, uma amizade pode existir entre qualquer duas pessoas se elas forem honestas uma em relação a outra. Meninas, adoro vocês de paixão, mas essa praga (a.k.a. meu melhor amigo) assumiu proporções tão grandes na minha existência, que chega a não ser justo com vocês. Ele é minha melhor amiga, meu confidente, minha segurança, meu tranquilizante, meu saco de pancadas, minha versão do avesso, meu pote de risadas, minha bombinha de oxigênio. Ele. Meu melhor amigo.

Esse post foi originalmente escrito e publicado no Miolos Femininos.

Gostou deste post?
(0)
Comente Este Post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 comentários em "Minha melhor amiga é um menino…"
  • a maior parte da minha vida, quem vou minha melhor “amiga” foi um homem, estranhamente agora é uma mulher e o mais estranho é eu achar isso estranho ~ deu para entender?? O.o
    o q é engraçado é q acho que todos meus melhores “amigas” sempre tinham um modo de ver a vida diferente q eu, eu acho q viver com pessoas diferentes q você, faz bem, pq dai você começa a aprender q as pessoas tem visões diferentes, mas nem sempre quer dizer que um esteja certo e outro esteja errado, é apenas uma questão de ver a vida com outros olhos

  • Ah sim, meu melhor amigo do mundo inteiro é um homem. Já passei por muitas situações chatas nessa vida por defender uma amizade porque as pessoas ousavam confundir como outra coisa, infelizmente até meu ex-marido na época que éramos casados. Porém quando meu casamento acabou, ele estava lá e em mil e outros momentos da minha vida também. A gente bate de frente o tempo todo, ele é o gelo e eu sou o fogo, sabe? E funciona. Eu realmente deveria escrever isso pra ele um dia, ele merece mais que ninguém.

  • Eu sempre tive muitos amigos homens. Hoje posso dizer que meu melhor amigo é um homem. O conheci na minha turma de faculdade, em momentos difíceis da vida de ambos por desilusões amorosas. Essa fase passou, seguimos caminhos diferentes profissionalmente, mas ainda moramos na mesma cidade. Nunca perdemos o contato. Ele é também meu confidente. Me alegro com as coisas boas que acontece com ele e vice-versa. Já dei puxões de orelha nele e ele também já precisou ser sincero dizendo coisas que eu não queria ouvir, mas que eu precisava. É como se fosse um irmão. Amigos assim deixam a vida da gente melhor.