7 de julho de 2014

Meu maior acerto (e erro) no amor…

O maior erro da minha vida se chama Felipe. Um erro — talvez o único — que, se eu pudesse, voltaria no tempo para fazer tudo diferente e, principalmente, um erro que eu não devia ter deixado entrar na minha vida. Sei que foi um momento de fraqueza meu, somado a um pouco de carência e à ânsia de querer um novo começo, coisas diferentes… Mas agora eu sei, mais do que nunca, que era algo que eu devia ter controlado, lutado para não deixar acontecer e trancado dentro de mim, até que a vontade fosse vencida pela razão. E eu fui fraca, muito fraca.

Não me importo que não tenha dado certo (ainda bem, por sinal), de ter descoberto que ele era um canalha ou de ter sofrido durante aquele inferno de oito meses, que parecia não acabar nunca, mas dói profundamente pensar que minha atitude ao ficar com ele magoou uma das pessoas com quem mais me importei nessa vida. Queria passar uma borracha, apagar isso da vida e resgatar aquele sentimento bom de saber que fomos importantes na vida um do outro, sem mágoas e sem ressentimentos. Mas, infelizmente, isso é algo que eu não posso consertar; é algo que mil pedidos de desculpas ou o mais sincero arrependimento não podem anular. É algo para levar para o resto da vida com desgosto, com a certeza de ter sido a coisa mais estúpida que eu já fiz.

Sobre meus erros e acertos no amor...

Errar é humano, eu sei, mas nem isso alivia a sensação de uma escolha patética, de um erro descomunal. Não quando isso fez a visão da pessoa de papel mais relevante na minha vida mudar a meu respeito. Eu podia ter feito qualquer outra coisa, errado de qualquer forma, mas não magoado a pessoa que mais me fez feliz nessa vida, não ter estragado a lembrança da melhor época da minha vida, da melhor pessoa com quem eu já dividi o meu tempo. E isso ainda me traz água aos olhos até hoje — e talvez sempre trará.

Mas, no fundo, eu acho que ele sabe que minha intenção nunca foi o magoar, que aquilo não teve nada a ver com ele. Fico feliz por, depois de mim, ele ter refeito a vida dele e encontrado a felicidade que nós não soubemos administrar enquanto estávamos juntos. Pequenas diferenças, dois gênios fortes e quatro anos de muita coisa boa não conseguiram aguentar. Talvez nosso maior erro foi ter insistido tanto em ficar juntos, em ter tentado (não uma, mas) duas vezes. Mas este é um erro que eu não me arrependerei nunca; é algo que eu passaria o resto da minha vida errando, mesmo que desse errado todas as vezes. Nada me tira da cabeça que ele foi o meu maior acerto na vida e que nada me fez mais feliz, mesmo dentro dos diversos terremotos que enfrentamos.

Nosso tempo passou, por uma decisão minha, mas eu queria que ele soubesse que o meu coração não deseja nada mais além de toda a felicidade do mundo para ele. Desejo com toda sinceridade possível dentro de mim. E queria que ele soubesse também que ele foi a melhor coisa que já passou pela minha vida e eu não tenho palavras para explicar como ele (ainda) é único. Talvez ninguém mais supere isso, mas não importa. Eu gosto de saber que tentamos, mesmo não tendo dado certo.

Sabe, eu continuo em busca da minha felicidade e não vou desistir de procurar o que (ou quem) quer que seja. Talvez algum dia eu encontre em alguém tudo o que perdemos um no outro, alguém que me faça tão bem quanto tu já me fez. Talvez, algum dia.

Este texto foi escrito em 16 de fevereiro de 2014, ouvindo “Somewhere In Neverland”, do All Time Low.

Gostou deste post?
(0)
Comente Este Post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 comentários em "Meu maior acerto (e erro) no amor…"
  • Nossa Fê, sem palavras…é difícil dar adeus a um grande (e às vezes único) amor. Senti um aperto no peito só de ler isso.
    Sabe, esse tipo de amor eu sempre acho que vai ficar pra sempre na gente, mesmo que encontremos outro alguém e que sejamos realmente felizes, no fundo sempre tem uma lembrança boa do que vivemos…
    E eu só desejo que você encontre sim algo ou alguém que te faça muito feliz.
    Beijo grande!

    • sim, é isso mesmo. algumas pessoas que passam por nossas vidas acabam ganhando um lugar especial no nosso coração e o carinho permanece para sempre, mesmo que ela tenha seguido outro caminho. e, para mim, ele é uma dessas pessoas… mas não precisa ficar com aperto no peito, não. o texto foi justamente para mostrar que, apesar de não ter dado certo entre nós dois, eu estou feliz pelo rumo que as coisas tomaram e do jeito que estão agora, tanto para mim quanto para ele… acho que é isso que importa, néam? :)

  • Relacionamento sempre é uma coisa complicada, as vezes faltou algo simples como a ação do tempo.

    Ele faz uma baita diferença as vezes e o complicado que o tempo anda diferente para cada pessoas, e como fazer para os tempos combinarem?

    bjos

    • concordo contigo. muitas vezes, relacionamento é apenas timing. mas eu acredito piamente que o que tiver que ser, será – independente de qualquer outra coisa. então mesmo que o “tempo” de duas pessoas estiver errado naquele momento, se for para elas ficarem juntas, uma hora o relógio acerta os ponteiros… beijos! =***

  • Mas é fazendo merda que se aduba a vida, já dizia uma amiga minha.
    É difícil terminar um relacionamento e terminar eu não falo apenas em conversar e acertar que o casal não está mais junto, mas sim deixar os sentimentos no passado e colocar um ponto final mesmo na história.
    Reconhecer os erros e acertos e não desejar nada de ruim para a pessoa, querer que ela encontre o seu caminho e seja feliz, do mesmo modo que você.
    Isso tudo demanda tempo e acho que você finalmente conseguiu se reencontrar e colocar as coisas em ordem.
    Agora que o destino se encarregue de trazer toda a felicidade que você merece para bem perto :)
    bjuxxxxxx

    • oi poly! acho que você conseguiu resumir bem a história, porque é bem assim que eu me sinto mesmo… foi bom, foi, mas passou, e agora é seguir em frente e buscar o que for melhor para mim. sei que ele está bem e isso me deixa mais tranquila, porque querendo ou não, a gente vai se preocupar com a pessoa para sempre, néam? eu em relação a ele, pelo menos… amei teu comentário e fico feliz que tu tenha captado bem a essência do post, que era justamente para mostrar isso… a página virada e um novo começo! e desejo o dobro de felicidade pra você! beijo! =***

  • Fê, quando a gente reconhece os nossos erros estamos mostrando para nós mesmos e para o mundo o quanto amadurecemos. Magoar as pessoas q amamos não é legal, mas acontece com mais frequencia do que se imagina. Bola pra frente, garota! Deixe o passado no passado que o futuro te reserva muitas coisas boas =) .
    P.S: Tô me matando de amor com esse blog lindo <3

    • oi marcela! é isso mesmo: entender, aceitar, amadurecer e seguir em frente. nada de ficar chorando as pitangas e descontar no resto da nossa vida, que pode (e vai) ser maravilhosa… apesar de pensar em tudo isso com alguma frequência, eu já concluí há alguns anos que foi melhor dessa forma e estou feliz com minha decisão e com o rumo que as coisas tomaram… e esse post foi justamente para ilustrar isso: um ponto final, uma virada de página… tenho certeza que coisas geniais estão à caminho! e que bom que você gostou do blog… eu ainda estou apaixonada por ele também! <3 beijoooo

  • Ai, Nanda… nem vou falar muito porque eu sei como dói. E até pra dizer aqui é complicado. Nos dias que a saudade vier insuportável e precisar de alguém pra falar tudo o que não cabe em um post, pode me procurar. Tá? Beijos!

    Ps: Tá lindo aqui, finalmente mudou o layout, gente!!!! rsrsrsrrs

    • oiii juuuuu! saudades de você… então, menina, essa história é antiga, de anos atrás, e eu escrevi esse post justamente para dizer que tudo isso já passou e que desejo que ele seja extremamente feliz. claro, ele sempre será especial para mim de uma forma única, mas nós tentamos de todas as formas possíveis e não tinha como dar certo. mas foi melhor assim… e mesmo tendo saudades dele, de uma forma geral, não sofro com isso, pois eu sei que vamos encontrar nossas felicidades em lugares diferentes. está tudo certo, pode ficar tranquila! hehehe! e siiiimmm, voltei finalmente com lay novo! e adorei a novidade que tu está voltando também! uhuuuuu! beijos!

  • Fer,

    Não imagino como deve ter sido difícil pra você chegar a escrever esse texto, mas às vezes é o que precisamos, né? Colocar “no papel” e ver se isso tudo que tá engasgado sai de uma vez de nós. Sempre passei por poucas e boas quando o assunto é amor. Nunca dei “sorte” nisso. Sempre gostei mais que deveria, deixando a reciprocidade do amor de lado. Eu era intensa demais; amava demais, gostava demais, me doava demais. Chegou um dia que eu cansei de sofrer e me tornei até um pouco fria com as coisas. Não olhava pra mais ninguém, não dava mais chances. Me tranquei durante quase quatro anos dentro de mim mesma. Agora que terminei a faculdade, consegui clarear a minha mente e descobri que eu não sei o que eu quero! Quero um amor sim, mas não quero me doar à ninguém. Quero reciprocidade, quero que me olhe nos olhos, sem precisar soltar aquelas palavrinhas tolas (que sempre me foram jogadas da boca pra fora) e me faça me sentir bem.
    Depois que abri meu coração pro mundo e deixei o que é do passado no passado, algo surgiu. Algo está surgindo. Eu não sei direito o que tô sentindo porque é muito recente, mas posso dizer que ele me faz um bem danado e nem tem ideia.

    Eu não sei se você tem alguma religião, mas eu sempre, SEMPRE me apeguei à 1 Coríntios 13:4-10:
    “O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;
    Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá; Porque, em parte, conhecemos, e em parte profetizamos; Mas, quando vier o que é perfeito, então o que o é em parte será aniquilado.”

    Há quem diga que o amor não existe. Ele existe sim! Nas pequenas coisas, nas pequenas formas, em mim, em você, numa criança, numa comida gostosa, num filme a dois… Nós só precisamos aprender a conviver com ele. Aprender a necessidade que ele tem, o que temos que ter dentro de nós pra ele vir a tona.
    Quando você sentir que estiver pronta pra amar novamente, ele vai chegar. E vai ser muito melhor que antes! Nunca pense que você nunca vai conhecer alguém que te faça tão bem quanto o outro te fez, isso não é saudável! O amor novo é sempre melhor. E é melhor ainda quando você consegue renová-lo todos os dias.

    Comentário enorme! Se precisar de alguma coisa, só me gritar.

    Adorei o novo blog! Um grande beijo pra você!

    • oi fran! eu entendo bem o que você escreveu, porque também sou assim, sempre me doo mais do que a outra pessoa… e, com o tempo, aprendi que nem todo mundo merece esse tipo de tratamento, que a gente precisa avaliar muito bem antes de oferecer todo o nosso amor, pois muitas vezes ele não é valorizado e quem sofre com isso somos nós mesmas. diferente do que a maioria das pessoas está pensando, esse texto não é triste, é um desabafo feliz. é uma conclusão positiva de tudo o que aconteceu e a minha forma de mostrar que, apesar de tudo, eu estou bem e feliz com minha decisão. mas ainda assim, não sei se terei um outro amor em minha vida tão importante quanto esse, que eu nunca me arrependerei de ter me doado 200%. foi uma doação boa, mas que não daria certo por n motivos… ele está feliz, eu estou feliz e, pra mim, é isso o que importa! adorei tuas palavras e fiquei contente em saber que se preocupas comigo… beijão pra você! <3

  • Oi, Fê!
    O maior erro da minha vida se chama Rafael. Mas é meio que ao contrário, é porque nunca aconteceu, sabe? E eu vou passar o resto da vida imaginando como teria sido…
    E super entendo isso do seu maior acerto. Apesar de tudo, o Renan foi meu maior acerto. Nem todo o sofrimento do fim podem apagar tudo o que aprendi com ele e o quanto ele me fez crescer quando acabou. Sou grata ao Papai do Céu por ter tido essa oportunidade.
    Fico feliz que seu coração tá em paz e que você ainda não desistiu de encontrar seu “the one”. Tô precisando acreditar que o meu tbm anda por aí…
    Beijo!

    • oi lívia! eu te entendo… e acho que esses arrependimentos são os piores, néam? os que não aconteceram, os que não tentamos fazer funcionar… me sinto exatamente como você em relação ao renan. fico feliz de ter tido a oportunidade de ficar com ele, aprendi muito com toda a situação e não mudaria nada, porque acho que foi válido do jeito que foi, mesmo não tendo dado certo. tenho certeza que vamos encontrar logo, logo alguém que vai mudar nossa vida… DE NOVO! só não podemos desistir! beijão pra você, amore! <3

  • Somo HUMANOS, e isso resume a tudo que passamos nesta vida. Ser humano é errar,é pensar, é ser humilde ao ponto de ver seus próprios erros e assumi-los… afinal, amar é complexo! Diante de uma relação que não te faz mais feliz, você deve ir em busca de uma nova felicidade, se vai dar certo ou não só tempo irá dizer, pois assumimos riscos quando deixamos alguém e nos entregamos a outro. Na verdade, a “sorte” esta lançada e se der certo ótimo e senão der, a vida segue. E como uma amiga minha diz: tu não precisa necessariamente de outra pessoa para ser feliz =]
    Mas te entendo, te compreendo e sei que se houvesse uma única possibilidade de voltar ao tempo, ambas não pensariam duas vezes e apostariam a única chance ao “amor” de suas vidas. Complexo, muito, e como! Mas esta é a vida, este é o hoje e o amanhã a vida pertence!

    • pois é, miga… amar é arriscar, é investir em algo que não sabemos se dará certo, se nos fará bem ou se vai desmoronar daqui alguns momentos. e eu sempre arrisquei muito, apostei alto em paixões e amores e dei tudo de mim. alguns valeram a pena, outros não. tu sabe que o gui foi (e provavelmente sempre será) uma das pessoas mais importantes da minha vida e eu não me arrependo em nenhum momento de ter dividido minhas tristezas e felicidades com ele. mas eu sei que tudo acontece por um motivo e, se eu precisei passar por tudo aquilo na época, foi porque eu precisava aprender alguma lição e me fortalecer em relação a todo esse “universo sentimental”. a diferença é que hoje eu tenho consciência de que o nosso momento foi aquele, que passou e que foi muito bem aproveitado. mesmo que tentássemos de novo, provavelmente chegaríamos no mesmo impasse — porque tem coisas que não são feitas para darem certo, ou pelo menos não em determinados momentos da vida… mas a gente nunca sabe o que está por vir, néam? seja o que for, eu estou muito bem preparada e em paz com tudo o que já passei e vivi, de coração aberto para tentar de novo. desejo com todas as minhas forças que tu encontre tudo isso em ti também! beijo! =***