7 de março de 2013

Lugar ao céu #RIPChorão

Ontem, o país acordou em luto… Alexandre Magno Abrão, ou Chorão, como era conhecido por todos, vocalista da banda Charlie Brown Jr, foi encontrado morto em sua residência em São Paulo. Acordei meio desorientada e fui checar o meu tuinter (por alguma reply nova) e a morte do Chorão foi só o que apareceu na minha timeline. Fiquei meio desacreditada, mas procurei por maiores notícias na rede, o que acabou me confirmando: ele estava mesmo morto. Meu queixo despencou na mesma hora…

Não sei se vocês sabem, mas eu já fui muito fã de Charlie Brown Jr. Fã de ter todos os CDs, de saber de cor todas as músicas, de ir a todos os shows (seja com chuva ou sol), de gravar todos os clipes deles em VHS e por aí vai. CBJr já foi a minha banda nacional favorita. História vai e história vem, eu larguei um pouco de mão quando a banda se desintegrou em 2005, naquela fase rebelde do Chorão, quando ele achava que a banda era só ele e o resto não importava. Continuei ouvindo o som deles, mas nunca mais foi a mesma coisa pra mim. Anos depois, com a volta dos integrantes antigos, a banda ficou mais parecida com o que era antes, mas eu não retomei o fanatismo, até porque já estava mais velha. Mas o Chorão sempre foi um artista querido por mim…

Descansa em paz, Chorão!

Minha adolescência foi marcada pelos shows da banda, que eu perdi as contas de quantos foram depois de um tempo, e pelos discursos que o Chorão constantemente dava no palco. Minha prima, fã do mesmo saco, sempre estava nos shows também e compartilhou essa fase comigo. Fase que não volta mais… Para mim, foi um choque receber essa notícia, porque o Chorão foi o primeiro artista significativo pra mim que eu “vi” morrer. Não sei se ainda caiu a ficha de que isto está acontecendo, mas sei que ele fará muita falta no cenário musical brasileiro…

Apesar de ser meio da-pá-virada e desbocado, ele tinha o seu carisma… Um tanto bipolar, variando entre simpatia e extrema loucura, ele soube fazer a diferença nesses mais de 20 anos à frente do CBJr. Letras de músicas sinceras e refrões chicletes, ele embalou momentos das vidas de muitas pessoas e colocava todo mundo pra pular durante os shows. Ele pode não ter sido a pessoa mais perfeita do mundo, mas contribuiu imensamente com músicas boas para o rock brasileiro. Dois Grammys estão aí para provar!

Eu ainda estou bastante triste. Não sei como vai ser daqui pra frente, mas o Charlie Brown Jr sem Chorão não vai ser a mesma coisa… Perdemos uma pessoa querida, um artista descolado, um letrista de mão cheia e um ícone da nossa música. Sei que nem todo mundo pensa o mesmo dele, mas ele representava tudo isso para mim, que cresci cantando “Proibida Pra Mim”, “Quinta-feira”, “Te Levar”, “Zóio de Lula”, “Tudo Mudar”, “Não É Sério”, “Lugar Ao Sol”, “Papo Reto”, “Só Por Uma Noite”, “Senhor do Tempo”, “Só Os Loucos Sabem” e tantas outras… Apesar de que as minhas favoritas sempre foram as menos conhecidas, do “lado B”.

Um dia eu espero te reencontrar numa bem melhor
Cada um tem seu caminho, eu sei foi até melhor
Irmãos do mesmo Cristo, eu quero e não desisto
Caro pai, como é bom o ter do que se orgulhar
A vida pode passar, não estou sozinho
Eu sei se eu tiver fé eu volto até a sonhar

“Lugar Ao Sol” foi a música que ele escreveu para o pai dele, assim que ele morreu… E como diz na música, espero que ele tenha se reencontrado com ele, lá em cima, onde quer que eles estejam. E que o Chorão tenha, enfim, o seu lugar ao céu. Fica com Deus!

Gostou deste post?
(0)
Comente Este Post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 comentários em "Lugar ao céu #RIPChorão"
  • É realmente muito triste ver uma pessoa partir. Eu não era fã do CBJr, minha adolescência foi mais Sandy e Júnior e Chiquititas, mas como ser humano, lamentei a perda de alguém tão jovem, cheio de idéias, talentoso e com uma vida pela frente.
    Lembro que minha primeira experiência de perda (morte) de artistas que eu gostava foi ainda na infância, quando os Mamonas Assassinas sofreram aquele acidente, custei a realmente acreditar, gostava muito deles.
    Como você disse, espero que agora ele esteja bem, ao lado do pai, no lugar especial para onde as pessoas vão quando partem daqui.
    Abraços…

  • Oi, Fê!

    Eu não era tão fã dele… Gostava de algumas músicas do Charlie Brown…

    Estou lhe convidando para participar da blogagem coletiva do blog Matraqueando! Indiquei o seu blog para participar!

    Beijinhos

  • Acho que serei odiada pelo que vou escrever mas essa notícia foi daqueles “não fede, nem cheira”. Nunca gostei da banda, confesso que uma ou outra música eu curtia, ouvia de vez em quando.
    Respeito a opinião de fãs e de pessoas que curtiam a banda, mas acho que é forçar a amizade quando dizem que a música brasileira perdeu uma lenda.

  • Sempre curtir, tem músicas que não tem como não cantar. É triste alguém morrer assim, mas que ele encontre a paz que merece! Muita luz pra ele! Que descanse em paz!

  • Não era fã do grupo e não gostava dele, mas compartilho contigo a tristeza pois imagino o que seria se eu perdesse o meu Ryutinha (do FLUMPOOL)…

    Tem artistas que colocam em palavras o que está no nosso coração…

  • Foi uma grande perda, e um choque também!
    Fiquei bem triste…era fã da banda, desde adolescente, acho que marcou a vida de muitas pessoas não é?!
    Só fiquei triste assim, quando o Leandro (Leandro e Leonardo), faleceu…eu era fã dos dois, e também foi uma grande perda! Infelizmente as pessoas se vão…mas não precisava ter ido tão cedo!
    Enfim…agora ele estará em nossos corações, memórias, orações e sempre nas canções! :)

  • Não sabia que essa música foi feita pro pai dele, e coincidentemente é uma das minhas preferidas. CBJr e o Chorão sempre lembrarão os melhores momentos da minha vida. É só saudade.

  • Eu cresci ouvindo CBJr e, apesar de nunca ter sido uma fã fanática da banda, sempre tive um carinho muito grande por eles e, principalmente, pelo Chorão. Quando recebi a notícia não sabia o que fazer ou o que falar. Nunca fui de ir em muitos shows quando menor, mas eu lembro do único show do CBJr que fui e foi um dos melhores. Lembro até hoje, eu tinha uns 12 anos e o pessoal que tava no show começou a querer invadir pra ficar mais perto do palco. O Chorão parou o show, pediu pra todo mundo tirar as grades de proteção e só retomou quando teve certeza de que ninguém se feriu. Eu fui uma das pessoas que ficou pendurada (literalmente) no palco, entre ele e o Champignon.
    Lugar ao Sol sempre foi das minhas preferidas e agora tem um outro significado pra mim. Só consigo chorar quando ouço… :/

  • Muito lindo seu post. Eu não fiquei abalada, levo a morte com uma certa leveza, até mesmo quando é de alguém perto de mim. Sempre fica a saudade, mas nào vejo a morte como o fim. Ja perdi alguns artistas que representavam muito pra mim, como grande parte dos Ramones. É estranho pensar que nào dá mais pra ver aquela pessoa ou que nada novo vai sair dali, mas fica a obra, ficam as lembranças. Que ele descanse em paz. Bjos

  • Nesse dia acordei com o WhatApp de uma prima contando da morte e falando “Liga na Ana Maria Braga!”… e foi assim que comecei a acompanhar tudo!
    Eu curtia muito a banda, fui a shows, consegui entrar no camarim e tirar foto com o Chorão e sempre foi uma banda querida! Não cheguei a ter todos os CDs e ser mega fã, como vc, mas partilhamos da mesma emoção!
    Uma pena um rapaz novo e cheio de conquistas morrer dessa maneira. =(

    Beijos

  • Sou suspeito para falar sobre o Chorão porque também gostava dele. Não vou dizer que a banda e ele marcaram minha adolescência porque estaria mentindo, no entanto, sempre quando falam em CBJr lembro da música de abertura de Malhação e da minha loucura em sair correndo da escola pra chegar em casa p/ assistir à novela. De certa forma ele e a banda fizeram parte de uma época especial para mim.

    Tudo tem um fim e se o dele chegou eh porque já estava escrito, já era um plano de Deus. Aceitar eh q eh difícil…