8 de abril de 2009

Lembra de mim?

Desde que descobri a escritora britânica Sophie Kinsella com o seu “Confessions of a Shopaholic”, tenho ficado cada vez mais satisfeita com os livros que leio dela. Depois de ter comprado o primeiro livro da série Shopaholic ano passado, comprei o livro “Can You Keep a Secret?”, que já vinha me chamando a atenção há algum tempo no site da Livraria Cultura. Sem sombras de dúvidas, foi um dos melhores livros que eu li ano passado! Fãs de Becky Bloom que me perdoem, mas Emma Corrigan dá de mil a zero na nossa querida shopaholic…

Depois de ter lido o segundo livro da série Shopaholic, eu comprei o meu amado “Remember Me?”, que eu andava babando com vontade de comprar, mas estava esperando uma promoção, já que estava muito caro pela internet. Aí antes de vir para o Canadá, eu passei na Livraria Cultura a catei a última cópia do livro, que estava custando R$45. Não quis nem saber. Última compra feita no Brasil, livro na mala, Fernanda feliz!

Comecei a ler o livro no Brasil e terminei aqui no Canadá! Depois que cheguei na metade do livro, não consegui mais largar. O namorado até ficou brabo porque eu não dava atenção pra ele e só queria saber do livro; mas vocês me entendem, né? Quando o negócio fica bom, é difícil parar.

E foi assim que eu engoli o restante do livro… Simplesmente me apaixonei! Também não era pra menos, né? A história é perfeita. A personagem principal, Lexi Smart, sofre um acidente de carro e acorda com amnésia num quarto de hospital. Ela simplesmente não lembra de nada que aconteceu em sua vida nos últimos três anos. Apesar deste “detalhe”, ela dá de cara com a vida de seus sonhos: um upgrade na aparência, um marido rico e bonito e uma carreira profissional promissora. Ela está se sentindo a Cinderela, quando começa a descobrir que as coisas não estão assim tão bem quanto ela pensava. De todas as coisas que parecem estar completamente erradas, ela ainda descobre que tem um amante

E esta é a melhor parte da história, sem dúvidas. Não vou contar o que acontece, porque senão perde a graça para quem for ler o livro, mas os momentos em que eles se encontram faz você preender o fôlego para saber o que vai acontecer em seguida. Volta e meia eu pego o livro de novo e releio só as partes que eles estão juntos. E fico rezando para que a Sophie Kinsella resolva escrever a continuação, porque seria maravilhoso! Com certeza, eu seria a primeira a comprar o livro…

Só para terem noção de como eu me apaixonei pelo livro, eu cheguei a criar uma comunidade no Orkut com este título, para quem leu ou pretende ler. Obviamente, a comunidade ainda só tem um membro (eu, eu!!), então se você já leu e gostou ou pretende ler algum dia, joina lá clicando aqui. Disparado, um dos melhores livros que eu li este ano! Oitocentas e vinte e sete estrelas pra ele! :love:

Quem não quiser saber algumas cenas que acontecem entre os dois da metade pro final do livro, PARA DE LER AQUI, porque eu vou transcrever algumas de minhas partes favoritas, para vocês entenderem do que eu estou falando. Como eles estão fora do contexto, não entrega muito a história, mas mesmo assim não deixa de ser spoiler… :happy: Leia mais e babe!

CENA 1

“Eu não sei como te dizer isso”, ele diz. “Então eu vou simplesmente te falar.” Ele respira, então parece mudar de ideia e se aproxima, estudando meu rosto. “Você realmente não lembra? Você não está fazendo algum tipo de jogo comigo?”
“Lembrar do que?”, eu digo, completamente desconcertada.
“Ok, ok.” Ele se vira e continua andando, passando suas mãos pelos seus cabelos pretos, deixando-o bagunçado em cima. Finalmente ele se vira para me encarar novamente. “É o seguinte. Eu te amo.”
“O que?” Eu olho para ele confusa.
“E você me ama”, ele continua, sem me dar tempo para dizer qualquer outra coisa. “Nós somos amantes.”

CENA 2

“O que você quer?” Finalmente eu me viro para encarar Jon, sem outra opção. “O que você quer que eu faça?”
“O que eu quero?” Ele pausa, suas sobrancelhas emaranhadas como se ele estivesse pensando sobre isso. “Eu quero que você fale para o seu marido que você não o ama, venha comigo e comece uma nova vida comigo.” (…) “Eu te amo. Você me ama. Verdade. Você tem que acreditar na minha palavra desta vez”.

CENA 3

No telefone…
“Me fale sobre isso”, Jon fala ironicamente e eu de repente imagino ele com sua camiseta cinza e jeans, contorcendo seu rosto como ele costuma fazer, segurando o telefone com uma mão, o outro cotovelo apoiado segurando a sua cabeça, mostrando um pedaço de sua axila… A imagem é tão vívida que eu tenho que piscar…
(…)
“Eu sinto tanta a sua falta”, a voz dele é baixa, macia. “Lexi, você não faz ideia de como eu sinto a sua falta, está me torturando não estar com você.”

CENA 4

Jon olha para mim e dá um passo para trás, para longe da multidão. Depois de um momento, eu também me movo para trás, meus olhos fixados firmemente à frente. Todo meu corpo está estalando com apreensão. E… excitação.
“Então, você lembrou de alguma coisa?”, ele diz num tom casual.

CENA 5

Ele poe o saco no chão e chega mais perto de mim, os seus olhos intensos e questionantes. “Você realmente não lembra de nada?”
“Não”, eu digo quase cansada. “Pela milionésima vez, eu não me lembro de nada.”
Ele está a poucos centímetros de mim agora, estudando meu rosto, procurando por alguma coisa. “Todo o tempo que passamos juntos, todas as coisas que dissemos… Deve haver alguma coisa que intrigue sua memória”. Ele rapidamente esfrega sua sobrancelha, enrugando-as. “Girassois significam alguma coisa para você?”
Apesar de mim mesma, eu vasculho meu cérebro. Girassois. Girassois. Uma vez eu não…? Não, foi embora.
“Nada”, eu digo finalmente. “Quero dizer, eu gosto de girassois, mas…”
(…)
Ele está tão perto que eu posso sentir seu hálito suave na minha pele. Os olhos deles não deixam os meus.
“E isso significa alguma coisa pra você?” Ele levou suas mãos para o meu rosto, envolvendo minhas bochechas, acariciando minha pela com seus dedos.
“Não”, eu engulo.
“Isto?” Ele se inclina para baixo e beija meu pescoço.
“Pare!” Eu digo rapidamente, mas eu mal consigo pronunciar as palavras. E além do mais, eu não quero dizer isto. Minha respiração fica mais curta a cada momento. Eu me esqueci de todo o resto. Eu quero beijá-lo. Eu quero beijá-lo de um jeito que eu não queria beijar o Eric.
E então está acontecendo. A boca dele está na minha e o meu corpo inteiro está me dizendo que esta é a coisa certa a fazer. Ele tem o cheiro certo. Ele tem o gosto certo. Ele é certo. Eu posso sentir os seus braços me envolvendo firmemente. Meus olhos estão fechados, eu estou me perdendo, isto é tão certo…

E aí? Ficou com vontade de ler? As minhas favoritas mesmo, mesmo eu não vou colocar aqui, porque senão vou entregar o final do livro… :smile:

Gostou deste post?
(0)
Comente Este Post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *