20 de abril de 2016

Como aplicar em uma universidade norte-americana

Se você é como eu, que sempre quis morar e estudar fora, talvez esse post seja para você. Já que o ingresso em universidades no exterior não funciona da mesma forma como aqui no Brasil (através do vestibular), eu resolvi contar um pouquinho mais da minha experiência e de todas as informações que absorvi nos últimos anos… Espero que o post seja útil para alguém.

Como aplicar em uma universidade norte-americana

Bom, então você decidiu que quer fazer graduação ou pós-graduação (especialização, mestrado, doutorado e pós-doutorado) nos Estados Unidos. Ótimo, porque essa parte é fácil. O processo de aceite em universidades lá é bem chatinho e um tanto demorado, o que pode deixar pessoas ansiosas (como eu) à beira de um ataque de nervos… Mas se você fizer tudo certinho, mandar a documentação completa e terminar a aplicação antes do prazo final, pode ser que você receba uma notícia muito bacana em 4 semanas… Então se organize e entenda o passo a passo.

1. Escolha a universidade e o programa de seu interesse

Este é o primeiro passo e um dos mais importantes… Muitas vezes, não adianta somente avaliar a reputação da universidade e se o programa de seu interesse é um dos melhores do país. Você precisa olhar o quadro de professores, a relação de disciplina que serão abordadas, a localização da instituição, o valor das mensalidades, o tempo de duração do curso e outros fatores. Quando eu comecei esse processo, eu determinei em quais cidades eu mais gostaria de morar e eliminei todas as universidades que não se encaixavam nas minhas escolhas… Dessa maneira, é possível encontrar as universidades certas para você, de acordo com suas preferências. Dedique cerca de 1 ou 2 meses para fazer essa busca e mapeie as suas 5 universidades favoritas. Não se restrinja a apenas uma universidade, porque o aceite não é sempre garantido e é bom ter outras opções na manga, caso isso ocorra.

2. Leia todas as informações sobre o curso no site da instituição

Depois de ter escolhido suas universidades favoritas (eu recomendo escolher de 3 a 5 opções), leia todas as informações sobre o curso e sobre o processo de aplicação na universidade. Cada uma delas tem datas e regras diferenciadas, então é aconselhável listar todas essas informações e montar um cronograma que auxilie você nesse processo todo. Algumas universidades enviam brochuras explicando tudo sobre o curso, então solicite esse material, se possível. Observe bem a data de início do curso escolhido, porque alguns deles só podem ser iniciados em um período do ano (geralmente, os cursos começam em janeiro, abril ou setembro) e as datas de aplicações podem não coincidirem entre si. Reserve 2 a 4 semanas para colher essas informações.

Como aplicar em uma universidade norte-americana

3. Confira a lista de requerimentos para o curso escolhido

Agora que você já sabe tudo sobre onde deseja estudar, é hora de partir para a ação. Liste todos os documentos e materiais que você precisa enviar para aplicar em cada universidade, nunca se esquecendo de enfatizar em suas anotações a data limite para a aplicação. Informe-se sobre o valor da taxa de aplicação (application fee) de cada universidade, para que você também consiga se organizar financeiramente. O valor das taxas costuma variar de $50 a $100 e você irá precisar de um cartão internacional para realizar a transação. Faça um resumo de todas as informações em, no máximo, uma semana e tenha essa lista sempre à mão.

4. Faça a tradução juramentada dos seus documentos

Já sabendo quais documentos você precisará enviar às universidades, é hora de providenciar a tradução dos mesmos aqui no Brasil. Se você está aplicando para cursar graduação, vai precisar traduzir o diploma e o histórico acadêmico com a lista de disciplinas cursadas e notas do Ensino Médio. Se está aplicando para pós-graduação, não precisará fornecer os documentos do Ensino Médio, portanto traduza apenas o diploma e histórico acadêmico de sua graduação aqui no país. Procure um tradutor licenciado e tenha o prazo de um mês para ter os documentos em mãos. O valor da tradução de cada documento varia conforme o número de laudas (ou cada lado de uma folha), que tem um valor fixo estabelecido pela Sintra (Sindicato Nacional dos Tradutores) e você só vai saber quanto pagará depois que as traduções já estiverem prontas… Peça uma estimativa de valores ao tradutor, para que você tenha uma ideia do custo total antes de solicitar o serviço. As traduções precisam ser juramentadas, ou seja, devem ser feitas por alguém reconhecido no nosso país como tradutor profissional. Neste momento, você já precisa saber se será necessário enviar os documentos originais para a universidade ou se bastará a versão digital. Se precisar de várias cópias originais, o tradutor não cobrará o valor inteiro pelas traduções adicionais, pois ele apenas precisará imprimir novas cópias, assiná-las e carimbá-las.

5. Faça o teste de proficiência de inglês (TOEFL ou IELTS)

Enquanto aguarda a tradução dos documentos, já se organize para fazer a prova de proficiência de inglês. Nos Estados Unidos, a maioria das universidades aceita tanto o TOEFL quanto o IELTS. Se você pretende aplicar em universidades de outros países também, faça o IELTS, que é aceito em vários lugares diferentes — eu fiz o IELTS, porque eu queria aplicar no Canadá também. Yes! Informe-se sobre as taxas para realizar a prova, além de verificar as datas e locais disponíveis no site de cada instituição. O IELTS é aplicado pela British Council (atualmente, custando R$700) e o TOEFL pela ETS (atualmente, por $215). Ao se inscrever para a prova, informe a eles o código das universidades para quais deseja enviar os seus resultados. Se fizer isso após receber suas notas, você terá que pagar uma taxa extra para cada envio. Escolha a categoria “Academic” ao fazer sua inscrição no IELTS, porque senão a universidade não aceitará os seus resultados. Observe a nota mínima exigida por cada universidade, de acordo com o curso escolhido. Entenda como funciona cada uma das provas (TOEFL ou IELTS), estude e boa sorte.

Como aplicar em uma universidade norte-americana

6. Faça as provas GRE ou GMAT, caso necessário

Alguns cursos de pós-graduação exigem também as provas GRE ou GMAT. Essas provas avaliam o candidato em seus conhecimentos verbais, quantitativos e analíticos. Resumindo, é uma prova de nivelamento para ver sua proficiência em inglês (escrita e interpretação de texto), matemática (aritmética, geometria, análise de gráficos, etc.) e lógica. Eu fiz o GRE e achei bem difícil, porque o tempo é apertado e algumas questões são bem complicadas de entender — me senti fazendo o vestibular da UFRGS, só que em inglês. Aconselho que conheçam a prova previamente e façam algumas simulações online, além de estudar gramática, regras de redação e termos matemáticos em inglês. O GRE (atualmente, custando $205) é aplicado pelo ETS e pode ser feito em algumas capitais brasileiras (eu fiz a prova em Recife). Para quem vai fazer cursos na área de negócios, o indicado é fazer o GMAT (atualmente, custando $250). Algumas universidades não exigem essas provas, então procure se informar sobre isso antes de se inscrever. E estude, de verdade.

7. Providencie cartas de referência

Enquanto espera o resultado das provas, peça a alguns de seus professores ou profissionais da sua área de atuação (pessoas que conheçam você e possam dar um breve parecer sobre o seu comprometimento e desempenho nos estudos e no trabalho) para que escrevam uma carta de recomendação sua. A carta deve ser redigida em inglês ou traduzida por um profissional. Tenha de 3 a 5 cartas de pessoas diferentes e escolha as que descrevam melhor o seu perfil acadêmico e profissional. Essa é uma parte chatinha, porque algumas pessoas ficam sem jeito de dizer “não” quando você pede, mas acabam nunca entregando a carta. Peça a pessoas bem próximas e que você tenha liberdade para “cobrar” a carta mais tarde, gentilmente, caso ela não venha em 2 ou 3 semanas. Tenha paciência e também um leque de opções disponíveis… Solicite a várias pessoas, algumas não se importarão em escrever a carta para você. Agradeça a pessoa ao receber a carta e não peça que ela faça qualquer alteração, já que a opinião é dela e você não deve interferir.

8. Faça o seu currículo em inglês

Atualize seu currículo e o traduza para o inglês. Essa tradução não precisa ser juramentada, ou seja, você mesmo pode resolver esse item sozinho. Coloque todos os seus méritos acadêmicos, cite suas conquistas profissionais (que tenham relevância para seus estudos, obviamente), liste suas atividades extracurriculares (aqui entram cursos, trabalhos voluntários, eventos que você participou, entre outros) e fale um pouco também sobre seus interesses e hobbies. O currículo deve retratar bem o seu perfil acadêmico e pessoal, levando a convencer que você é uma ótima “aquisição” para a universidade. Ou seja, não priorize sua atuação do mercado de trabalho, isso não é tão importante. Afinal de contas, você não está procurando emprego, certo?

9. Escreva uma carta relatando seus interesses

A maioria das universidades pedem a chamada “Letter of Interest”, ou seja, um texto não muito longo (não precisa ultrapassar uma página) falando sobre os seus interesses na área pretendida de seus estudos. Em resumo, eles querem saber o motivo pelo qual você quer fazer o curso. Dê uma visão geral dos seus interesses e depois foque no assunto que deseja pesquisar durante os seus estudos. Através dessa carta, eles já conseguem determinar os alunos mais interessantes e, caso seja um curso de pós-graduação, então encaminhar para um possível orientador que tenha os mesmos objetivos acadêmicos. Seja sincero e tente transpassar muita vontade de aprender e aprimorar os seus conhecimentos.

Como aplicar em uma universidade norte-americana

10. Escreva o seu objetivo de pesquisa

Caso você esteja aplicando para cursos de pós-graduação, é muito provável que a universidade peça que você escreva o “Research Statement”. Neste documento, você vai explicar o tema que escolheu para focar seus estudos e desenvolver sua pesquisa ou tese. Relacione o assunto com algum objetivo prático, ou seja, explique porque é importante estudar sobre o tema em questão e encontrar uma solução para o problema. Fale também como pretende alcançar os resultados, seus objetivos e suas aspirações.

11. Monte um portfolio, caso necessário

Alguns cursos da área criativa exigem que o candidato envie um portfolio contendo uma prévia de alguns de seus projetos (acadêmicos ou profissionais). Escolha apenas os seus trabalhos mais relevantes e que te representem como artista. Geralmente, eles pedem de 10 a 20 peças, então seja criterioso. Mande apenas os melhores, mesmo que sejam poucos… Neste caso, quantidade não é qualidade. Escreva também um breve texto explicando cada uma das peças, para que eles saibam o que é e como/porque foi feito. Veja os requisitos e especificações de cada universidade e monte um portfolio para cada uma delas, focando em seus aspectos individualmente.

12. Reuna todos os documentos físicos e digitais

Quando não estiver faltando nenhum documento em suas listas de requerimentos, organize as cópias físicas e digitais em pastas e no seu computador. Antes de começar as aplicações online, certifique-se de quem tem à mão todos os documentos. É bem frustrante começar a preencher os dados e se dar conta de que faltou algo. Tenha em mãos também o seu passaporte e alguns documentos pessoais, como RG e CPF.

Como aplicar em uma universidade norte-americana

13. Realize a aplicação online

Acesse o site da universidade e procure o link para iniciar a sua aplicação. Ele geralmente tem o label “Apply Now” e deve ser um botão bem grande e colorido. Essa é a parte divertida! Preencha todos os seus dados, anexe todos os documentos solicitados e conclua a sua aplicação. Algumas universidades usam sistemas próprios para isso, como é o caso do SlideRoom. Ele é bem fácil de usar e mostra dicas de preenchimento ao longo do questionário. Depois de encerrar o envio dos dados, você precisará pagar a taxa de aplicação, então tenha um cartão de crédito internacional em mãos (ou o responsável pelo cartão). Após a confirmação do pagamento, você poderá revisar os dados e finalizar sua aplicação. E seja o que Deus quiser!

14. Envio do histórico acadêmico por sua escola ou universidade

Grande parte das universidades solicita que o seu histórico acadêmico seja enviado diretamente pela instituição de ensino do Brasil, em cópia original. Você até pode enviar a cópia digitalmente, mas a aplicação só será validada quando eles receberem o documento por correio, enviada pela própria instituição que emitiu o mesmo. Ou seja, você precisará ir até a universidade ou escola e solicitar esse documento. Caso eles não façam esse envio, peça que o envelope seja entregue à você lacrado, já com os dados da universidade preenchidos no envelope timbrado da instituição. Eu precisei fazer dessa forma, porque a minha universidade não faz esse serviço de postagem… Mas deu tudo certo, apesar de eu nem saber o que foi enviado dentro do envelope.

15. Envio dos resultados das provas de proficiência

Caso você tenha feito as provas de proficiência (TOEFL, IELTS, GRE e GMAT) antes de escolher ou decidir em quais universidades aplicar, você precisará solicitar o envio dos seus resultados direto para a instituição. Entre em contato com a organização que realiza as provas, pague a taxa extra e informe o endereço completo para o envio (ou o código da instituição). Esse processo costuma levar de 15 a 30 dias, dependendo do modo de envio do documento. Quando eu solicitei o envio do IELTS para a universidade que eu apliquei, eles me passaram o código de rastreio do pacote, para eu acompanhar a entrega. Então foi bem tranquilo…

16. Aguarde o processamento dos documentos

Depois de enviar todos os documentos, a universidade precisa revisar tudo e julgar se você será aceito ou não para o curso e o semestre desejado. Algumas universidades são mais concorridas que outras, então o fato de não ser aceito não significa que o seu currículo acadêmico seja ruim, mas que teve pessoas que se prepararam melhor do que você. Esse período de processamento costuma variar de 4 a 6 semanas, dependendo da universidade e da quantidade de aplicações. Geralmente, alguém da instituição entrará em contato por e-mail para confirmar a sua aplicação e garantir que você não tenha nenhuma dúvida em relação ao processo. Caso tenha, aproveite o auxílio dessa pessoa para entender os próximos passos.

17. Resposta da universidade

Independente de você ter sido aceito ou não, a universidade entrará em contato… Nos Estados Unidos, o padrão é receber um envelope pelo correio, contendo a resposta (positiva ou negativa) de sua aplicação. Para estudantes internacionais, geralmente a resposta chega antes pelo e-mail. Caso você seja aceito, a universidade enviará também informações sobre a matrícula, valores de mensalidades e uma data limite para você aceitar ou recusar a vaga. Informe-se sobre bolsas de estudo, caso necessite de ajuda para pagar o curso (que costumam ser bem caros). Após decidir, envie sua resposta à universidade. E, parabéns, se você foi aceito. Se não foi, espere a resposta das outras universidades, em alguma delas vai dar certo! :)

Minha carta de aceite para estudar no SFAI

Apesar de não ser o meu principal objetivo agora, eu resolvi aplicar em uma universidade nos Estados Unidos para ver como funcionava (e como eu me saía)… A escolhida foi o SFAI, ou San Francisco Art Institute, na Califórnia. Apliquei para o Mestrado (MFA) de Studio Art, com foco em arte e tecnologia. Consegui a isenção da taxa de aplicação, então arrisquei para ver o que dava. Fiquei muito contente quando recebi a resposta positiva deles. Infelizmente, eu não consegui a bolsa de estudos da universidade (que é muito concorrida), então recusei a oferta de vaga… Mas foi uma experiência bacana!

Aplicar em universidades no exterior é um processo complexo e demorado… Eu aconselho a começar a pesquisa cerca de 1 ano e meio antes, para garantir que você estará com todos os documentos em mãos no momento da aplicação, sem sustos. Mas se você deseja muito estudar fora, vale a pena o planejamento. Espero que as dicas do post ajude de alguma forma. E, aliás, me contem depois se deu tudo certo e você for aceito.

Para quem está começando a pesquisa para concretizar esse sonho, boa sorte. Espero que ocorra tudo bem, assim como foi comigo. Vou ficar torcendo para você! ;)

Gostou deste post?
(0)
Comente Este Post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 comentários em "Como aplicar em uma universidade norte-americana"
  • oi, oi.

    que post maravilhoso, Fê! <3 é aquela velha história: a gente tem que se arriscar pra conseguir algo nessa vida, e que bom que a reposta da universidade foi positiva. acho que isso só mostra que tu tá no caminho certo e daqui a pouco consegue algo no Canadá (de preferência uma bolsa, pq né…).

    eu quero muito cursar Direito Internacional fora do país, mas sinto que preciso melhor um pouco meu inglês. apesar de me virar numa boa, ainda fico inseguro na hora de falar em público, daí me atrapalho e passo vergonha. :D

    tenho certeza que as dicas do post ajudarão sim muita gente. mesmo não estando me preparando pra uma aplicação, achei incrível todo o processo.

    bjs!
    Não me venha com desculpas

    • oi adriel! <3
      sim, fiquei bem contente que fui aceita lá, porque o aceite para o mestrado geralmente é mais concorrido... isso me deu uma certa confiança de que as coisas vão se encaminhar bem para os meus planos... espero ter notícias boas em breve. sobre o inglês, acho que é tranquilo, viu? algumas universidades oferecem curso preparatório de inglês para estudantes internacionais, assim você dá um upgrade nos teus skills antes de começar a graduação ou pós-graduação... é bem interessante para quem ainda não sente muita confiança com a língua. o problema realmente são os valores, porque os cursos são bem caros lá fora... infelizmente. mas não desiste de ir estudar direito internacional fora do país não, viu? e se precisar de qualquer ajuda, pode contar comigo...
      beijooo =***

  • Afe, essa parte da tuition é a pior, sempre tão cara T.T Mas que você conseguiria ser aceita, isso eu nem teria dúvidas ;)

    • oi vy!
      menina, eu te confesso que fiquei com medo de não ser aceita… a exigência para cursos de mestrado é maior (do que um college ou graduação, por exemplo) e como poucos alunos são selecionados por semestre, pensei que talvez não fosse dar certo. uma pena que o valor da mensalidade é tão caro mesmo… estou estudando outras opções mais acessíveis, espero que dê tudo certo! ;)
      beijoooo

  • Desde que formei eu deixo meu currículo e portifólio lindamente atualizados em inglês também… Ao contrário de MUITA gente eu nunca tive esse sooooonho de estudar fora, mas de qualquer forma é bom ter esse tipo de coisa porque a gente nunca sabe o que está por vir, não é mesmo?

    • oi luly! isso é bem verdade mesmo… a gente nunca sabe o que pode acontecer. no meu caso, estou correndo atrás mesmo, porque isso é algo que sempre quis. meu currículo em inglês sempre está atualizado também, mas meu portfolio online nunca ficou pronto, apesar de eu ter o domínio há anos… daí sempre tenho que ficar catando meus últimos trabalhos de última hora e mandar os arquivos zipados… meta de vida: montar um portfolio online e deixar sempre atualizado… hahaha! beijoooo

  • Boa noite,
    Como vai?
    Já quis estudar fora. Deve ser muito irado não é?
    Aliás, eu amo vitória mas sabe…acho que preciso de um lugar novo. Gente nova. Experiências novas. Não sei te explicar, mas me sinto assim.

    Bem bacana o post e útil (vai que começo a juntar uma grana agora)

    Beijos e se cuida querida

    • sim, menino, é isso mesmo… mudanças são ótimas para darmos um novo rumo na vida e é algo que venho buscando há muito tempo. estudar fora, especialmente. espero que o post te ajude de alguma forma assim que decidir mesmo começar a correr atrás disso… a parte da grana é chatinha mesmo, mas o esforço vale a pena. beijooo =*

  • Que post ótimo!! Ótimas dicas !! Eu pretendia estudar lá fora , mas hoje já não tenho certeza, quem sabe um dia. Afinal, tenho que ter esperança.

    • oi regina… que bom que gostou do post! eu achei interessante trazer isso aqui para o blog, porque há muito tempo eu procuro essas informações e nunca encontrei nada explicadinho assim dessa forma… e, eu acredito, que se estudar fora é algo que você deseja realmente, vale a pena investir, pois é uma experiência maravilhosa (sei, porque já fiz intercâmbio no canadá por 6 meses)… boa sorte aí para você! ;)