28 de julho de 2014

As Vantagens de Ser Invisível: Livro x Filme

Quando “As Vantagens de Ser Invisível” saiu no cinema, eu evitei a todo custo spoilers sobre a história, porque eu queria ler o livro antes de assistir o filme… Sim, sou dessas. Então comprei o livro e guardei no meu armário, junto com a pilha de tantos outros que ainda preciso ler. Alguns meses atrás, eu finalmente comecei a leitura da versão em inglês do livro do Stephen Chbosky, “The Perks of Being A Wallflower”. Acabei levando poucos dias para ler (eu leio muito, mas muito devagar) e, assim que deu, baixei o filme e assisti. E agora vou contar um pouquinho das minhas impressões sobre um e outro…

O livro conta a história de Charlie, um garoto de 17 anos, que passa despercebido pela maioria das pessoas em sua escola. Seu único amigo, Michael, comete suicídio no ano anterior, deixando Charlie sozinho para começar o temido Ensino Médio. Querendo mudar essa situação, Charlie faz amizade com Patrick e Sam, dois estudantes mais velhos e que o fazem passar por algumas situações inusitadas. Além deles, Charlie conta com as dicas do seu professor de inglês, Bill, que lhe passa atividades extra-curriculares para o ajudar com sua escrita e comunicação. Em meio à depressão e às novas experiências que vivencia, Charlie faz o melhor que pode para chegar até o final do ano sem grandes estragos.

O Livro

O livro é todo escrito em forma de cartas, o que é bem interessante e diferente. No entanto, não sabemos quem é a pessoa que as recebe, assim como não sabemos quase nada sobre o próprio Charlie, pois ele apenas conta sobre os acontecimentos de sua vida, sem discorrer sobre sua fisionomia e personalidade. Este, para mim, é um ponto extremamente negativo, porque eu não conseguia imaginar as cenas enquanto lia, era apenas um bolo de relatos. Senti falta de cenários detalhados e de personagens mais bem descritos, o que tornou a leitura um pouco chata. Aliás, minha expectativa para este livro era tão grande, que acabei me decepcionando ao terminar a leitura. #fuen

Mas não me entendam mal, o livro é bom. Apenas bom, eu diria. Diferente do que várias pessoas relatam, eu não chorei em nenhum momento e também não me identifiquei com o personagem principal de nenhuma forma. Inclusive, no início da leitura eu comecei a ficar incomodada, pois o jeito como o Charlie escrevia me deixava tonta — eram frases extremamente informais, escritas da mesma forma como são ditas e sem muita regra de composição e pontuações adequadas. Graças aos resumos de livros que seu professor de inglês o passou durante o ano, a escrita dele melhora bastante conforme escreve as cartas seguintes… Ufa!

O livro "The Perks of Being A Wallflower"...

Não diria que o livro tem começo, meio e fim. Para mim, é apenas um trecho da passagem dele pelo colégio, com relatos breves sobre sua infância e acontecimentos aleatórios sobre aquele ano. Claro, tudo se interliga, mas a história não “termina” na última página do livro. Ele poderia tranquilamente continuar escrevendo as cartas e contando mais coisas para o seu destinatário secreto, sem que isso afetasse o desfecho da história. E isso não é um ponto muito legal para mim também.

Outra coisa que me incomodou foi o fato de ele ser completamente passivo o tempo inteiro. Em alguns momentos, fiquei com vontade de sacudi-lo, para ver se ele reagia de alguma forma, mas eu tinha consciência de que era assim porque ele era muito bom e tinha um coração enorme. Para mim, a parte mais relevante da história era a relação que ele tinha com Bill, o professor de inglês, que o enxergava e o admirava pelo o que ele realmente era. O último encontro entre eles, descrito nas cartas finais, foi um dos únicos momentos em que me emocionei um pouco…

O Filme

Diferente do livro, eu chorei bastante assistindo o filme… As cenas foram muito bem elaboradas e me passaram uma emoção que não senti na leitura. Também achei que o filme explica melhor algumas situações que ele conta nas cartas e que não tinham ficado muito claras para mim. Ou seja, o filme complementa essas informações do livro de uma forma mais detalhada e visual, o que dá um maior sentido para a história toda. Pontos extras por isso!

Achei que ficaram faltando algumas cenas importantes, como a situação em que ele passa com a irmã e que vira um segredo entre eles. Esse foi um ponto bem importante do livro, na minha opinião, pois foi o momento em que ele mais se aproximou dela… Percebi também pequenas modificações de enredo, mas nada muito agravante ou que mudasse a essência da história. Queria ter visto algumas outras cenas que também foram cortadas para o filme, infelizmente.

Emma Watson e Logan Lerman em "The Perks of Being A Wallflower"...

Gostei da atuação da Emma Watson, como Sam, e do Logan Lerman, como Charlie… Palmas para o ator Ezra Miller, que deu vida ao personagem Patrick e o interpretou incrivelmente bem, diga-se de passagem. Achei que a figura do professor não foi muito bem explorada no filme, o que me deixou chateada, pois foi o personagem que mais gostei no livro. Aliás, passei o filme inteiro esperando pela última cena dos dois (como citei acima), mas os escritores mudaram o jeito como ela acontece… Bah, me caiu os butiá do bolso! :blank:

Enfim, resumo do resumo… Gostei bem mais do filme do que do livro, apesar de ter achado ambos bons. Não recomendaria a leitura, mas sabendo que muitas pessoas se apaixonaram pela história e disseram ter sido o melhor livro que leram no ano, deixo a critério de vocês lerem ou não. Mas acho que o filme é uma ótima indicação e que vale os seus 103 minutos… De qualquer forma, valeu ter lido a história antes de assisti-la. Mas para ser sincera, esse é um dos primeiros livros que leio que não supera o filme — e isso é meio novidade para mim. Vocês leram o livro? O que vocês acharam?

Gostou deste post?
(0)
Comente Este Post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 comentários em "As Vantagens de Ser Invisível: Livro x Filme"
  • Eu li o livro em 2012 e lembro até de ter escrito uma carta pra ele no blog (mas perdi todo o arquivo do WP). Gostei muito do livro porque naquela época eu era bem inocente, semelhante ao Charlie. Hoje, se eu o lesse novamente, com certeza não choraria e nem me identificaria muito com a história. Tudo é fase, né?!

    Eu não vi o filme ainda, então nem posso dizer nada… Mas se tem a Emma, o filme deve ser lindo. Vou baixar nesse fim de semana….

    Bjs!

  • Li muitas resenhas sobre este livro, mas sempre muito dividido, tinha gente que achava fraco, tinha gente que achava muito bom…acabei comprando para a minha sobrinha de presente de Natal.

    E eu assisti o filme com ela na tv, ela gostou bastante. Eu achei bom, .
    Não temos nenhum show de interpretação, ou nada do tipo, mas reflete muito o que é a geração da minha sobrinha e os amigos dela.

    Bjos

  • Já ouvi falar muito bem do livro, mas nunca havia lido nem ouvido nada sobre o filme. Nunca tive interesse em lê-lo, agora depois de saber sua opinião, esse interesse praticamente sumiu. Mas quem sabe eu não assista o filme, já que, na sua opinião, é melhor.

    Beijos

  • Terminei de ler o livro ontem e também não achei o sensacional como estava esperando, já que tinha visto o filme primeiro e foi uma das poucas vezes que gostei um pouco mais do filme. O Charlie me irritou muito, ele chorava toda hora, tinha vontade de dar um tapas nele!

    Adorei o post! Beijos

  • Eu vi o filme antes de ler o livro e mesmo assim gostei bastante. Não percebi alguns detalhes que você citou, o que me faz ter vontade de ler de novo, mas achei um livro bem bonito sim. É claro que o filme já virou ícone, a trilha sonora é incrível e tem a Emma Watson. Pronto, não precisa dizer mais nada.