18 nov 2014

Me apaixonar ou não me apaixonar? Eis a questão.

Postado às 14:38 | 4 comentários
Categorias: Pessoal

Nos últimos dois anos, eu desisti dessa coisa toda de "amor de verdade" e tenho colecionado algumas paixonites, por aqui e por ali. Depois de algumas decepções amorosas que doeram bastante, preferi ser mais cautelosa e não deixar qualquer pessoa pisar em cima do meu pobre coraçãozinho. A verdade é que eu sou muito sensível em relação a romances e isso sempre me fez sofrer mais do que o necessário. Sempre me importei demais em fazer tudo da melhor forma possível e nunca recebi grande coisa em troca. Daí, sabe, cansei.

Desde então, resolvi focar minhas energias em outras coisas e aposentar o coração por algum tempo, já que nada estava dando certo mesmo. Comecei a cuidar mais dos meus próprios interesses, sem incluir acompanhantes nos meus planos. E tem sido ótimo, libertador.

A forma que eu achei para lidar com este vazio sentimental foi encontrar algumas distrações pelo caminho, apenas para passar o tempo. Tudo platônico, nada sério. Você vê a pessoa, flerta discretamente (ou nem isso), sonha acordado, aproveita o momento e depois de algum tempo reseta tudo, para não se apegar. O risco para mim em tudo isso é que eu costumo me apaixonar muito rápido, ou seja, às vezes até amores platônicos podem me magoar. Em alguns momentos, eu não sei muito bem distinguir o limite entre o imaginário e o real e me questiono se devo dar uma chance para que o sentimento cresça ou se continuo morrendo de medo de quebrar a cara de novo. E isso está acontecendo comigo agora.

Me apaixonar ou não me apaixonar?

Eu até quero me apaixonar de novo, o problema é que eu sempre escolho as histórias erradas, as pessoas erradas. E por mais que eu seja cuidadosa, eu sempre me machuco muito mais do que o esperado. Encontrar um grande amor não é minha prioridade agora, mas eu certamente investiria todas as minhas fichas se eu achasse que valeria a pena. O difícil é encontrar alguém que valha a pena hoje em dia... E eu não sei se eu tenho mais tanta força de vontade para correr atrás desta pessoa.

Não tenho medo de tentar, mas também não quero perder o meu tempo e me arriscar à toa. Quero alguém que me faça bem instantaneamente, que entre em sintonia comigo sem qualquer esforço, sem enrolação ou drama. Relacionamentos complicados não fazem mais parte da minha vida. Drama, só em livros e filmes. Em ficção, não na vida real.

Hoje em dia, fico com o pé atrás sobre abrir o meu coração novamente, de verdade. Desde 2012, meus sentimentos verdadeiros estão lacrados e está cada vez mais difícil alguém chegar até lá. Substituí o calor das minhas emoções por algumas pedras de gelo e a verdade é que eu só vou deixá-las derreter quando tiver a certeza de que, diante de mim, está alguém para colocar a mão no fogo, para dividir a minha vida, que me faça bem e que valha a pena ter por perto. Se for para acontecer, essa pessoa vai chegar na hora certa, sem que eu perceba o que está acontecendo, e tudo fará sentido. Será naturalmente, rápido e fácil.

Não posso dizer que não sinto a falta de ter um namorado. Estar apaixonado é delicioso e gostar de alguém que também gosta de você é melhor ainda. Mas eu não tenho pressa e sei que não preciso dessa pessoa para completar minha vida — ou ser feliz. Mantenho meus olhos sempre abertos, para o caso de eu avistar alguém que traga uma luz diferente para a minha vida, pois não quero perder a oportunidade de construir uma história a dois, romântica, sincera e intensa, igual a uma daquelas de livros, que a gente sonha que possa acontecer com a gente...

Talvez não aconteça comigo, ok. Mas não custa acreditar. Enquanto isso, opto por não me deixar apaixonar tão facilmente. Quero proteger minha sanidade mental e correr atrás de coisas que são muito importantes para mim neste momento. E se o príncipe encantado resolver aparecer neste meio tempo, por favor, venha com um cartaz luminoso, caso contrário eu posso achar que você é apenas mais um dos que eu não devo sentir nada mais do que uma atração casual. Combinado?

29 out 2014

Olhares

Postado às 18:50 | 6 comentários
Categorias: Ficção, Textos

Ele apoiou as duas mãos em cima da minha mesa e me fitou fixamente. Continuei mexendo no computador, ignorando sua presença, porque eu estava muito nervosa para olhar de volta para aquele rosto. Espiei com o canto dos olhos os seus dedos levemente dobrados, apoiados na superfície lisa, e as veias saltadas de cima das suas mãos, o que me deixava um tanto aflita. Engoli em seco e fechei os olhos. Coragem, vamos lá. Coragem.

— Qual o motivo dos olhares? — ele disparou, antes que eu pudesse pensar em qualquer coisa para dizer.

— Olhares? — indaguei.

— Sim, os que você não para de lançar em minha direção. O tempo todo.

Esses olhares...

Eu não tinha um espelho por perto, mas sabia que minhas bochechas estavam coradas. Hm, então ele reparou nos olhares? É sinal de que ele também está olhando. E, bom, se ele reparou que não são simples olhares, é porque ele realmente estava prestando atenção.

— Desculpa. Eu não tinha a intenção de te perturbar. De forma alguma — expliquei.

— Não está perturbando. Eu só quero saber o motivo.

Lancei meus olhos para cima e encontrei os olhos dele, curiosos. Ele estava com uma expressão séria, mas eu conseguia distinguir um meio sorriso por baixo daquela barba rala, que cobria as linhas quadradas do seu maxilar e do seu queixo proeminente. Os olhos castanhos me fitaram de volta e eu não consegui evitar um sorriso.

— Eu só estava olhando. Não sabia que eu precisava ter segundas intenções para simplesmente olhar.

— Provavelmente tem, se me olha desse jeito.

Gelei de cima à baixo. Eu nunca tinha visto ele sendo tão direto assim, tão ousado. Ele era o tipo de cara que estava sempre tranquilo, na dele, sem chamar muito a atenção. Devo acrescentar que "ser lindo" também estava em sua lista de atributos, mas ele não precisa saber dessa informação. Eu gosto que ele não tenha noção do quanto se destaca em relação aos outros, com a sua beleza modesta e sua simpatia encantadora.

— Desculpa, então. Prometo que não olharei mais dessa forma. Não olharei mais para você.

Ele se abaixou e sentou em cima dos calcanhares, para ficar com o rosto na mesma altura do meu. Ele já não estava mais tão sério e eu podia sentir que ele estava gostando daquela conversa, divertindo-se com a minha falta de jeito e timidez. Ou melhor ainda, divertindo-se por não estar sendo tão tímido ao me falar tudo aquilo, talvez pela primeira vez.

— Acho que você não está entendendo... Eu não quero que você pare de me olhar desse jeito. Eu só quero entender. — Ele levantou as sobrancelhas e deixou escapar um sorriso provocador. Acho que ele já tinha percebido o efeito que aquilo tinha sobre mim. Macacos me mordam.

— Entender o quê?

— Eu só quero saber se estou interpretando corretamente tudo isso. Esses olhares, esses sorrisos, os arrepios.

Arrepios? Antes que eu pudesse pensar qualquer coisa, olhei para meu braço esquerdo estendido ao lado do teclado do computador e entendi o que ele estava falando. Meus pelos estavam eriçados e a pele extremamente arrepiada; as bolinhas tomando conta de todos os centímetros do meu membro. Soltei um suspiro rápido e balancei a cabeça para os lados, aceitando que aquilo era o mais óbvio a acontecer. Ele mexia comigo. Demais.

— Se você não está interpretando certo, provavelmente eu não estou olhando direito — falei com convicção.

— Então eu estou certo?

— Não está mais do que óbvio? — falei, rindo baixinho.

Não havia mais nada o que explicar. Ele sabia o que eu sentia; ele viu como eu me sentia quando ele estava perto. E eu sabia que ele estava interessado também, ou não teria vindo falar comigo sobre isso. Sobre os olhares. Agora era só sintonizar as ideias e esperar para ver se seríamos compatíveis. Eu sabia que sim. Mas eu queria ter certeza.

— Vem comigo pegar um café. — Ele não me perguntou; ele afirmou.

— Vai você na frente. Logo eu vou também.

Ele sorriu lindamente e então foi em direção à porta. Fiquei olhando os seus passos, analisando o jeito como seus braços se moviam e como o quadril parecia estar em sintonia perfeita com as pernas. Acima da gola da camisa, a sua nuca parecia macia e cheirosa. Antes de cruzar a porta, ele colocou a mão esquerda no bolso da calça e apertou os dedos da outra em forma de punho. Eu não estava enxergando o seu rosto, mas eu sabia que ele estava sorrindo.

Fechei os olhos rapidamente e suspirei devagar. Eu não estava acreditando em tudo aquilo, parecia bom demais para ser verdade. Passei a mão pelos olhos e depois chacoalhei os ombros. Ajeitei a gola da blusa, coloquei um pouco dos cabelos para frente e me levantei depressa da cadeira, antes que eu desistisse de ir até lá. Caminhei passos curtos pelo corredor e estudei algumas frases para iniciar a segunda parte de nossa conversa. Sentia minhas mãos tremendo, apesar de saber que era mais excitação do que nervos.

Alguns minutos depois, cheguei à cantina. Ele estava escorado ao lado da porta, perto da máquina de café. Seus dedos digitavam rapidamente algo em seu celular e ele parecia nervoso, ansioso. Parei por alguns segundos antes de me dirigir até lá e fiquei contemplando a expressão de seu rosto. Aquele rosto que tantas vezes eu observei escondida e que eu queria muito ver de perto. Bem de perto.

E então ele levantou a cabeça e encontrou os meus olhos. Os dele estavam brilhando. Os meus também. Ele sorriu e eu sorri mais ainda quando a covinha do lado direito do rosto dele apareceu. Aquilo era muito certo. Ele era muito certo para mim. E eu soube disso com toda a certeza quando eu me aproximei dele e senti os seus dedos tocando nos meus, fazendo minha pele inteira arder de prazer. A poucos centímetros de mim, os olhos dele miraram os meus intensamente e então eu soube que eu estava mesmo certa. A nuca dele era extremamente cheirosa. E os seus lábios tinham gosto de mel.

26 out 2014

Começando um novo ciclo...

Postado às 16:36 | 14 comentários
Categorias: Pessoal

Dei uma sumida (de novo) no blog, mas é porque tem muita coisa mudando na minha vida agora e eu ainda estou me organizando... Desde o final do ano passado, eu dizia a mim mesma que 2014 seria um ano maravilhoso para mim e realmente está sendo. Claro, algumas coisas fugiram do meu controle e eu tive pequenos surtos de desespero, mas eu não tenho do que reclamar... Foquei muito nas minhas prioridades e fiz tudo o que pude para alcançar as minhas metas. Corri atrás do que eu queria e, como resultado de todo o meu esforço, tudo está acontecendo da melhor forma possível.

Começando um novo ciclo...

A primeira novidade é que, finalmente, eu me mudei para o meu apartamento. Sério, já estava virando lenda esta mudança, mas agora foi. Desde o início do mês, estou levando minhas coisas para lá, fazendo faxina e colocando tudo no lugar. São caixas e mais caixas. Agora já está quase tudo arrumadinho, mas ainda falta muito para terminar de mobiliar o apartamento e decorar todos os cômodos. Aos poucos, vou comprando o que falta e deixando do jeito que eu quero. Ando fisicamente esgotada (mudança cansa para caramba!), mas está valendo a pena. Eu estou adorando ter as minhas coisinhas e um cantinho só para mim. Já estava mais do que na hora de isso acontecer... Estou bem contente.

A outra novidade é que comecei a trabalhar em uma nova empresa recentemente. Eu estava há séculos querendo dar um upgrade na minha carreira e acho que agora estou no caminho certo. A empresa é muito bacana e eu acredito que vou aprender bastante lá, ganhar mais experiência, além de contribuir com ideias para os projetos da minha equipe de trabalho. E voltei a trabalhar em Porto Alegre, que era algo que eu queria há algum tempo. Apesar de pegar mais trânsito e demorar mais tempo para chegar ao trabalho todos os dias, sinto que trabalhar na capital tem diversos benefícios. Estou adorando este novo começo e espero que este emprego traga coisas incríveis para a minha vida, de uma forma geral.

E, por último, acho que já está na hora de começar a planejar uma outra viagem... Passei meses sonhando com Boston e New York City, mas este sonho já foi realizado. Eu gastei muita energia organizando cada detalhe deste passeio e agora me sinto bem mais leve, sabendo que deu tudo certo. Ufa! A verdade é que tudo o que eu tinha planejado para este ano já foi cumprido, ou seja, preciso de novas metas e objetivos. É hora de começar do zero de novo... Ainda não decidi meus próximos passos, mas estou cheia de ideias. Assim que eu definir o destino, vou correr com gás total até chegar nele... Partiu?

Próximo destino...

Enfim... Ainda estou sem internet no apartamento, mas assim que as coisas voltarem ao normal, continuarei postando no blog com mais frequência. Também não estou conseguindo visitar os blogs ou responder comentários, mas em breve isso se ajeita. Eu só queria dar notícias, para não deixar o blog enchendo de pó... Aliás, por falar em pó, vou voltar à minha faxina e organizar tudo na minha casinha, porque não vejo a hora de começar a mostrar para vocês como está ficando... Tá bom? Então tá. Fuuuiiii! :wink:

13 out 2014

Nick Jonas voltando com tudo em carreira solo...

Postado às 19:17 | 0 comentários
Categorias: Música

Não é segredo nenhum que eu gosto de Jonas Brothers. Sim, falo da banda de pop americana mesmo, formada em 2005 pelos irmãos Nick, Joe e Kevin Jonas. Inclusive, eu já fui em dois shows deles, um em Toronto e outro aqui em Porto Alegre... Desde que eu os conheci, em 2009, venho acompanhando o trabalho deles, principalmente notícias do Joe e do Nick. Em 2010, quando o JB fez uma pausa, ambos lançaram discos solo, porém não obtiveram muito destaque na mídia. Em 2013, após se reunirem para o lançamento de alguns novos singles, os irmãos anunciaram o fim da banda e disseram que cada um seguiria o seu próprio caminho.

Preciso confessar que fiquei chateada com a notícia, porque eu gostava muito das músicas deles. Mas o fim da banda deixou claro que eles estavam interessados em caminhos diferentes e que tentariam pôr em prática suas ideias em carreiras individuais. Na verdade, a banda sempre girou em torno de Nick, o irmão mais novo, que era quem escrevia a maioria das músicas e realmente dava personalidade à banda. Sendo assim, era óbvio que ele teria novidades para seus fãs muito em breve... Para minha surpresa, ele resolveu voltar com tudo, reinventando-se e mostrando a todos todo o seu talento. Falando sério, eu virei fã.

Nick Jonas em carreira solo...

Este ano ele já gravou um filme, chamado "Careful What You Wish For", no papel de Doug Martin; foi chamado para ser o personagem principal do seriado "Kingdom", que foi lançado este mês na televisão; e também lançou duas músicas inéditas que estarão no seu disco solo, entitulado "Nick Jonas". Ou seja, o rapaz está dando o que falar. E como se tudo isso não bastasse, recentemente, ele participou de um ensaio fotográfico para a revista americana Flaunt, onde aparece em poses sexy de cueca e mostrando parte do bumbum. Benzadeus! O garoto resolveu investir todas as fichas em sua carreira e está dando muito certo.

Nick Jonas posa para a revista Flaunt

Nick Jonas posa para a revista Flaunt

Nick Jonas posa para a revista Flaunt

Nick Jonas mostrando mais do que deve... #abafa

Ok, parei com essas fotos indecentes! Hehehe... Vamos ao que interessa! Eu quero compartilhar com vocês estes vídeos gravados para o What's Trending, com as versões acústicas de "Chains" e "Jealous". Apesar de ambas terem uma batida pop bem marcante na versão original do álbum, nesta apresentação conseguimos ouvir claramente as influências de R&B em suas composições. Eu estou adorando essa nova fase dele... "Jealous" toca direto no meu player!

Outra novidade é que ele gravou um dueto com a Demi Lovato, que também estará em seu novo álbum. A faixa se chama "Avalanche" e teve um trechinho compartilhado na internet. Para quem não sabe, ele dirigiu a última turnê da Demi (The Neon Lights Tour) e cantou com ela as músicas "Catch Me", "Here We Go Again" e "Stop The World" no palco. Não vejo a hora de ouvir este dueto na íntegra... Deve ser incrível! :love:

Enfim, estou adorando esse novo Nick Jonas... Já gostava dele antes, mas agora ele está ainda melhor. Adoro o jeito como ele canta, quase não abrindo a boca para pronunciar as palavras, e mesmo assim, alcançando notas lindas. E os falsetes? Ai, senhor. Não vou nem comentar sobre o sorriso torto... Estou torcendo para que o filme e o álbum sejam lançados logo, e enquanto isso, vou me deliciando com estas duas músicas, que estão sensacionais. Continue assim, Nick. Você está no caminho certo...

07 out 2014

O livro "Como Eu Era Antes de Você" me fez pensar sobre a vida...

Postado às 14:11 | 2 comentários
Categorias: Livros

Deixa eu contar para vocês... Essa minha maratona literária não está com nada, viu? Hahaha! Este ano, eu tinha me programado para ler pelo menos um livro por mês, mas este é apenas o terceiro livro que termino em 2014 e já estamos em outubro... Façam as contas! Ano passado eu prometi que ia ler 12 livros até setembro, mas óbvio que não consegui... Tantas coisas para fazer e pouco tempo para fazê-las. Paciência!

Mas o que importa é que eu consegui terminar de ler mais um (aleluia, irmãos!) e agora eu venho aqui para contar a vocês sobre ele, pois a leitura mexeu muito comigo e me faz pensar na vida... De verdade. Eu sempre falo que só leio livros de mulherzinha, com temas mais descontraídos e bem alegres, pois não vejo sentido em ler algo triste, complexo e que me deixe deprimida. Mas "Como Eu Era Antes de Você" é um livro leve, gostoso de ler, e que traz um tema bem polêmico à tona: você aceitaria que alguém de sua família se matasse, pois se tornou tetraplégico?

"Como Eu Era Antes de Você", da Jojo Moyes

O livro conta a história de Louisa Clark, uma jovem britânica de 26 anos, que acaba de perder o seu emprego como garçonete em uma cafeteria de Tenby, uma pequena cidade no litoral oeste do Reino Unido. Após receber essa notícia inesperada, ela sai à procura de outros empregos na cidade, apesar de não ter muito estudo ou conhecimento técnico sobre qualquer coisa. Depois de algumas tentativas que não deram certo, oferecem-lhe uma vaga para ser a cuidadora de Will Traynor, um homem rico de 35 anos, que se tornou tetraplégico dois anos antes em um acidente de moto. Mesmo relutante em aceitar a vaga, ela acaba aceitando a proposta, pois precisava do dinheiro para ajudar com as finanças de casa, que não vão nada bem.

Os primeiros dias de trabalho foram um inferno. O homem era extremamente mal educado e a insultava constantemente. Depois de aguentar desaforos suficientes, ela começou a tratá-lo da mesma forma, não ligando para o fato de ele ser deficiente físico. Aos poucos, a relação dos dois começa a melhorar e ela se depara com mais um problema: descobre que ele pretende cometer suicídio assistido em uma clínica suíça em poucos meses, pois viver preso àquela cadeira não era a vida que ele queria para si. Diante disso, Louisa resolve criar um plano para fazer com que ele mude de ideia antes que seja tarde... E então ela marca em seu calendário a data em que tudo pode acabar: 12 de agosto de 2009.

A data limite: 12 de Agosto de 2009...

Apesar de ter um tema bem pesado, o livro não é cansativo e faz com que você não queira mais parar de ler... Não preciso dizer que chorei no final, certo? Mas acredito que a mensagem que o autor quis passar com a história é que precisamos aproveitar cada segundo de nossas vidas, porque não sabemos como será o dia de amanhã... E mesmo quando as coisas não estão muito bem, ainda é possível ter momentos felizes e aproveitar a vida com as pessoas que estão ao nosso lado. Deixando de fora a questão do suicídio assistido, porque acredito que cada caso é um caso, gostei muito da história, dos personagens e das reflexões que fiz enquanto virava cada uma das páginas de "Como Eu Era Antes de Você".

Pensei muito sobre a fragilidade da vida, sobre as incertezas do futuro, sobre as casualidades do destino e sobre sorte e azar. No livro, Will Traynor teve a infelicidade de estar no lugar errado, na hora errada, sendo atropelado por uma moto enquanto esperava por um táxi na calçada, o que o deixou tetraplégico... Não sei porquê, mas eu sempre tive muito medo desse tipo de fatalidade. Quando estou caminhando na rua, sempre penso que um piano poderá cair sobre minha cabeça a qualquer momento (oi, muito desenho animado na infância?) ou que baterão em mim enquanto eu estiver dirigindo e eu não sobreviverei. Sempre tive medo de morrer, já tive muitas crises de pânico por conta disso e pensar nesse tipo de coisa nunca me ajudou de forma alguma...

Com o passar do tempo, eu aprendi a controlar os meus pensamentos negativos e agora tento sempre enxergar o lado positivo das coisas, por mais difícil que seja. Se algo de ruim acontecer comigo, quero ao menos saber que fui o melhor que pude e que fiz tudo o que estava ao meu alcance. Não quero ir embora daqui e deixar apenas arrependimentos, sonhos não realizados e histórias sem nexo. Quero fazer valer cada segundo, construir boas lembranças e ter a certeza de que nada foi em vão... Faz sentido?

O que estou dizendo é que este livro me deu (ainda mais) incentivo para viver intensamente. Correr atrás dos meus sonhos, lutar com mais convicção até alcançar meus objetivos, arriscar mais, não ter medo de mudanças, dizer às pessoas que amo o quanto elas são importantes, ser uma pessoa melhor e mais confiante. Não podemos planejar tudo para "algum dia", temos que fazê-las agora. Às vezes é mais fácil adiar os planos e deixar para lidar com as dificuldades mais tarde, mas e se "mais tarde" for "muito tarde"?

Nunca é tarde demais para começar...

Acredito em criar oportunidades para que as coisas deem certo. E devemos fazer isso agora, pois a vida é uma só e ela passa rápido. Ou ela pode terminar antes do que imaginamos. É triste, mas é verdade. Portanto, sei que não posso demorar tanto para tomar decisões importantes, preciso fazer as coisas acontecerem agora, enquanto ainda dá tempo. Preciso colocar em prática esse tanto de ideias que, há tempos, estão rondando dentro da minha cabeça... E pra já!

Só para não deixar passar batido, indico muito a leitura desse livro... Gostei da escrita da autora e a dinâmica da história funciona muito bem, do início ao fim. É uma bela história de amor, ao mesmo tempo que um pouco triste, mas que provavelmente te fará questionar algumas decisões de sua vida... Leiam e me contem o que acharam! :)

05 out 2014

O que anda tocando sem parar no meu player...

Postado às 09:25 | 3 comentários
Categorias: Música

Depois de passar meses seguidos basicamente ouvindo All Time Low, eu resolvi dar uma chance a outros artistas novamente, renovar a playlist e escutar algumas músicas novas... Não sei como funciona com vocês, mas quando eu gosto muito de uma música, eu a escuto sem parar por vários dias, até eu saber a letra de cor e partir para a próxima. Nos últimos dois meses, algumas músicas grudaram de tal forma na minha cabeça e tocaram repetidamente no meu iTunes, no celular ou no rádio do meu carro. Vocês arriscam algum palpite? Quem me segue no Twitter, é capaz de acertar...

Tocando na radiola

Ed Sheeran - Thinking Out Loud

Recentemente, eu baixei o novo álbum do Ed Sheeran, que é um dos meus cantores favoritos do momento, e me apaixonei absurdamente por uma música do repertório. Eu costumo dizer que ele é o equivalente masculino da Adele, ou seja, um dos melhores artistas da atualidade e que estourou de uma hora para outra, tomando conta do cenário musical. Não tenho outra palavra para descrever, acho ele sensacional. Além de um ótimo compositor, ele arrasa no violão e tem uma voz maravilhosa, seja cantando doces melodias ou arriscando em frases de rap... "Thinking Out Loud" tocou meu coração imediatamente. Em poucos segundos, ela se tornou minha música favorita do novo álbum dele — em entrevista, ele revelou que é a faixa favorita dele também. A melodia é tão linda, que se você fechar os olhos, sentirá na pele a emoção de cada palavra... Sem falar da letra, que é simplesmente incrível... Ed Sheeran é muito amor!

Nick Jonas - Jealous

E o que falar de "Jealous", do Nick Jonas? Neste caso, a letra não é tão significativa para mim, mas a energia que ela passa é muito boa. É aquele tipo de música que você fica cantarolando depois de ouvir, mesmo sem se dar conta... Estou adorando essa nova fase do Nick, com uma vibe mais R&B, com batidas bem marcadas. A música foi lançada no dia 7 de setembro e fala sobre os seus sentimentos em relação à namorada, Olivia Culpo, a Miss Universo 2012. Como o nome já revela, ele fala abertamente sobre ciúmes, algo que os homens dificilmente assumem sentir. Não canso de ouvir e acho o máximo sempre que ele vai para as notas mais agudas e canta em falsete... Ai, ai. Estou aguardando ansiosamente por este novo álbum dele...

Hanson - White Collar Crime

E, por último, a minha mais nova queridinha "White Collar Crime"... Ela é uma das músicas no EP "Music Made For Humans" do Hanson, que foi enviado este ano para todos os membros do fã-clube (falarei sobre isso em breve). Das 5 músicas do EP, esta é a única cantada pelo Zac, o irmão mais novinho e baterista da banda. Apesar de o Taylor ser o meu favorito, eu sempre gosto mais das músicas que o Zac canta. Enfim... A letra é bem aleatória, mas o ritmo da música é bastante envolvente. Em diferentes partes da música, podemos identificar claramente os sons da guitarra, bateria e teclado. Destaque especial para a ponte, em que eles cantam um trechinho a cappella. Como sempre, a harmonia de vozes é incrível. E, para variar, a música termina com as frases bem loucas do Zac... Aquele fofo! <3

Por ora, são estas as músicas que ando viciada em escutar... Provavelmente, em breve, já serão outras. E vocês? O que tem ouvido de bom? Me contem nos comentários, okz? Adoro sugestões musicais... Sempre acabo conhecendo uns artistas e músicas bem interessantes! :smile:

03 out 2014

Cheguei aos 30, e agora?

Postado às 10:52 | 10 comentários
Categorias: Pessoal

A verdade é que o tempo voa e, de repente, você não é mais aquela menina que brincava de Barbie ou que andava de bicicleta com rodinhas. Você também deixou para trás o tempo de escola, as tardes em casa assistindo a Sessão da Tarde e aquela época gostosa em que sua única preocupação era fazer o dever de casa, quando você não tinha nenhuma conta para pagar. Mas daí você pisca e puft... Trinta.

Trinta

A única prova disso é que em cima do seu bolo de aniversário tem trinta velinhas para apagar e muita coisa ao seu redor mudou, mesmo que você continue sendo a mesma pessoa. Para mim, sinceramente, não faz nenhuma diferença. Eu não me sinto velha ou deixei de enxergar a vida colorida, algo que as crianças fazem com muito mais facilidade. Ter vivido esses 30 anos só me mostra as inúmeras experiências que tive até agora e o tanto que aprendi, cresci e amadureci por conta disso.

Quando você para para pensar o que mudou de lá para cá é que as coisas começam a ficar mais claras... Eu ainda me sinto jovem, mas não penso da mesma forma como pensava 10 anos atrás. Tenho mais consciência sobre minhas atitudes (e a dos outros também), aprendi a separar o lado emocional do racional e sei o valor de tudo o que me rodeia. Consigo enxergar o que realmente importa, mesmo às vezes tendo muitas dúvidas. Mas me sinto mais preparada para lidar com as situações da vida, de uma forma geral, sejam elas boas ou ruins. Sou mais independente, sei defender meus pontos de vista e não tenho medo de ficar sozinha. Aprendi muito, de verdade.

Trinta, independente e feliz...

No entanto, por uma outra perspectiva, me sinto como aos 16 anos... Continuo gostando das mesmas coisas (algumas com ainda mais paixão e carinho), fazendo as mesmas piadas, corando as bochechas pelos mesmos motivos, acreditando nas mesmas coisas e ansiando pelos mesmos sonhos (alguns já realizados, graças a Deus). Não mudei meus valores e crenças, só os afirmei ainda mais. Tenho os mesmos passatempos, leio o mesmo tipo de livros, escuto as mesmas músicas, uso as mesmas roupas. Sou a mesma Fernanda de três anteontem, mas com muito mais bagagem, mais histórias para contar.

Aos 30 anos, você tem mais responsabilidades, mais compromissos e mais despesas. Mas você também tem mais paciência, mais maturidade e mais autonomia. Você percebe quem são as pessoas que estão ao seu lado para ficar, em quem pode confiar ou quando deve ficar com o pé atrás. O sexto sentido está mais aguçado e você já sabe quais são os possíveis desdobramentos de cada situação e consegue agir de forma mais inteligente, mais sábia.

Claro, o corpo já não é mais o mesmo. E não me refiro à forma física, falo de questões fisiológicas mesmo... Você se cansa mais rápido, sente dores em lugares que não costumavam incomodar, a saúde fica mais frágil e o metabolismo trabalha de forma mais lenta. Você não tem mais pique (e saco) para virar noites ou fazer festas, porque sente mais sono e o corpo exige mais repouso. Ou talvez seja apenas eu.

Em compensação, eu aprendi a ser mais sensata, a me colocar no lugar do próximo e a não me importar em fazer tudo perfeitamente (ok, eu ainda estou trabalhando neste quesito, afinal, eu sou virginiana), porque perfeição não é sinônimo de felicidade. Eu aprendi a gostar de mim exatamente como sou e a valorizar cada característica minha, por mais que eu tenha outros defeitos. E o mais importante de tudo, aprendi muito com os meus erros. Porque, ao meu ver, envelhecer é isso, é entender onde você errou e acertar da próxima vez.

I love me...

Como nem tudo é perfeito, sinto-me frustrada por outras coisas... Falo de conquistas pessoais, basicamente. Achei que estaria vivendo um outro momento da minha vida, que já teria realizado mais sonhos. Sim, estou falando de família, casamento, filhos, carreira e méritos profissionais. Mas sei que isso não é, de fato, culpa minha. A vida não espera por ninguém; oportunidades inesperadas surgem e, quando você se dá conta, já está percorrendo um caminho diferente do que foi planejado. Foi o que aconteceu comigo, foquei em outras coisas e acabei me desviando das metas originais... Tudo bem, tudo bem.

O que importa é o aprendizado, é a experiência adquirida. Ter chegado aqui me mostrou que eu sou capaz de conquistar ainda mais (se eu realmente quiser) e que cada passo, independente da velocidade ou direção, me leva um pouco mais perto de onde eu quero chegar. Sei que é apenas questão de tempo e força de vontade...

Dizem que aos 30 muitas coisas mudam... Bom, elas mudam mesmo. Mas não importa se você tem 15, 24, 32 ou 47 anos, o importante é você se sentir bem com você mesmo. Idade é apenas um número. A vida é mensurada por momentos, experiências, pela vivência do dia a dia, pelos conhecimentos absorvidos — e cada um viverá isso de forma diferente, em idades diferentes. Independente do seu momento, viva intensamente. A vida é preciosa e única, não podemos deixá-la passar em vão.

It's time to begin, isn't it?
I get a little bit bigger, but then I'll admit
I'm just the same as I was
Now, don't you understand?
That I'm never changing who I am
Imagine Dragons - "It's Time"

Aos que já chegaram (e passaram) dos 30, desejo muito sucesso e a satisfação de objetivos cumpridos. Aos que ainda vão chegar, desejo paciência e mente aberta. Mesmo nos momentos em que nos sentimos confusos e perdidos (quem nunca, néam?), é essencial saber que estamos constantemente aprendendo, moldando e aperfeiçoando a nossa essência. Feliz 30 para mim! Estou ansiosa para saber o que a vida me reserva para os próximos anos... Pode mandar brasa, eu estou preparada.

05 set 2014

Realizando um sonho...

Postado às 17:37 | 20 comentários
Categorias: Pessoal

Sei que andei sumida do blog pelas últimas semanas, mas foi por um bom motivo... Eu estava organizando os últimos detalhes da minha viagem de férias, que, na verdade, era muito mais do que isso. Desde o início do ano passado (sim, eu gosto de planejar tudo com muita antecedência), eu comecei a pensar como gostaria de comemorar os meus 30 anos e então cheguei à ideia perfeita. Como não sou muito fã de festas, decidi que a comemoração para esta data seria viajar para New York City e passar o 28 de agosto lá... Sozinha.

Planejando a minha viagem de 30 anos...

Desde muito nova, um dos meus sonhos sempre foi conhecer os Estados Unidos e, se possível, morar lá por algum tempo... Amo o idioma (estudo inglês desde os 10 anos de idade) e sou muito ligada à cultura deles; sou apaixonada por diversos artistas de lá, bandas, cantores, autores, seriados, marcas e até o próprio estilo de vida. Sempre achei que nasci no país errado, porque tudo o que eu gosto e me interesso vem lá de cima. Há alguns anos, fiz um programa de intercâmbio e morei no Canadá por 8 meses, mas apesar de ter amado o país (de verdade), meu objetivo sempre foi os states. E já estava mais do que na hora de riscar esse item da minha bucketlist...

O plano era passar o aniversário em New York, mas eu resolvi adicionar um bônus ao meu presente... Um dos meus seriados favoritos de todos os tempos é Dawson's Creek e, por conta disso, sempre ouvi falar muito de Boston, capital do estado de Massachussets. A história se passava em Capeside, uma pequena cidade fictícia no litoral de Massachussets e que ficava perto de Boston. Em um dos episódios, Jen (Michelle Williams) e Joey (Katie Holmes) embarcam em uma viagem de trem de Boston a New York City, para visitar algumas universidades e escolas da região. Não sei porquê, mas depois de assistir aquilo, fiquei com vontade de fazer o mesmo e percorrer aquele trajeto de trem até NYC também... E voilà! Este seria o roteiro da minha viagem.

Boston, Massachussets

New York City, NY

No final do ano passado, eu comprei as passagens aéreas e reservei os hóteis em ambas as cidades, definindo as datas de ida e volta da viagem e encaixando com as minhas férias da empresa. Em maio deste ano, eu fui para São Paulo para fazer o visto americano (farei um post explicando e falando mais sobre o processo) e, depois de todos os acertos finalizados, entrei em clima de contagem regressiva, aguardando ansiosamente para a viagem dos meus sonhos.

A Viagem

Dia 21 de agosto eu embarquei para os Estados Unidos, fazendo escala no Rio de Janeiro e depois em Atlanta (Georgia), chegando em Boston na sexta-feira, dia 22. Passei 4 dias explorando e me apaixonando por cada detalhe da cidade e depois peguei um trem rumo à Big Apple, desembarcando na região central da cidade, na famosa Penn Station (que fica abaixo do Madison Square Garden). Os outros 6 dias de viagem foram para conhecer os pontos turísticos da cidade mais famosa do mundo, bater perna pelas ruas e conhecer um pouco de cada bairro de Manhattan e fazer muitas compras.

Caminhei como se não houvesse amanhã e meus pés viraram duas grandes fontes de tortura, que pediam descanso a cada meia hora de percurso e muito spray de cânfora para aliviar a dor. Tirei muita foto, comprei muita roupa e fiquei encantada com alguns lugares que visitei. As duas cidades são lindas, de formas bem diferentes. Adorei poder falar em inglês com várias pessoas (dei até informações na rua para algumas pessoas), andar de um lado para o outro da cidade usando o metrô, ver ao vivo tudo aquilo que eu já havia decorado pelas fotografias e passeios pelo Google Street View meses antes...

Quando chegou o último dia, eu queria rebobinar e começar tudo de novo. Me senti realizada andando pelas ruas de Boston. A cidade é charmosa, tranquila, as pessoas são simpáticas e bastante acolhedoras, fazendo você se sentir em casa. Bom, pelo menos eu me senti. A cidade de New York (bom, Manhattan, mais especificamente) é muito parecida com Toronto e, portanto, não me surpreendeu tanto. A energia é ótima, tudo funciona o tempo inteiro, as ruas estão sempre cheias, as pessoas são bem diferentes, algumas bem estranhas inclusive, mas ninguém se importa com isso, na verdade. É uma mistura cultural enorme (você escuta diversos idiomas enquanto caminha por lá), mas achei que as pessoas são um tanto mal-educadas e estão sempre com muita pressa. Boston é outra história... Não tenho como comparar uma cidade com a outra, porque elas tem proporções completamente diferentes, mas se tivesse que escolher entre morar em uma ou outra, ficaria em Boston, pois acho que combina mais com o momento que estou vivendo agora.

Viajando Sozinha

Aliás, por falar nisso, preciso comentar... Algumas pessoas estranharam o fato de eu querer viajar sozinha (recusei alguns convites de companhia, porque já tinha definido que esta seria uma viagem para mim), mas foi a melhor coisa que eu podia ter feito. Viajar sozinha passa uma sensação única de liberdade, de fazer tudo o que der na telha, sem se preocupar com os planos de outras pessoas. É focar nos seus desejos e objetivos e fazer exatamente o que passar na sua cabeça. É um momento para você mesmo e era exatamente isso que eu estava precisando.

Ando bem instrospectiva, afastada do mundo, refletindo e reavaliando várias coisas da minha vida — e tem sido ótimo... Mais para frente, vou falar um pouco sobre isso aqui no blog, mas por enquanto, estou aqui só para contar que eu finalmente realizei o meu sonho de conhecer os Estados Unidos. E sim, o país é maravilhoso.

Lá é tudo organizado, as coisas funcionam, existe pontualidade e você tem muito mais opções para qualquer coisa. Não é à toa que muitas pessoas querem ir para lá para realizar o "sonho americano"... Acho que é bem por aí mesmo. Conheço pessoas que não curtiam muito o país e, depois que foram para lá, se apaixonaram. Falar mal daqui é fácil, quero ver falar mal estando lá e curtindo tudo de bom que a América tem para oferecer. Claro, sou suspeita para falar, porque sempre amei o país, mas é impossível não voltar de lá entusiasmado... É uma coisa de outro mundo. Incrível demais.

Próximos Posts

Vou organizar todas as informações e fotos que tenho e montar alguns posts falando sobre a viagem e dicas de roteiros para ambas as cidades... Vou publicando aos poucos, sem pressa, pois quero escrever posts bem completos, que ajudem quem realmente quer e está planejando ir para lá. Aguardem novidades. E já aviso, as próximas cidades que quero visitar no país são: Chicago, Baltimore, Los Angeles e San Francisco. Tenho certeza que vou amar cada uma delas, assim como amei Boston e NYC. See you soon, USA!

PS.: Vocês já foram para os Estados Unidos? Quais cidades visitaram? Indicariam alguma delas? Conte-me nos comentários.

17 ago 2014

O que visitar em sua viagem para Toronto...

Postado às 16:19 | 3 comentários
Categorias: Diversão, Viagens

Para amenizar essa saudade absurda de Toronto que anda me matando, eu resolvi falar um pouquinho sobre essa cidade maravilhosa que roubou meu coração em 2009. No ano em questão, fui para o Canadá em um programa de estudo e trabalho e morei lá por oito meses... Até hoje, sinto um aperto no peito ao lembrar dessa época e tenho uma vontade enorme de voltar ao país, para relembrar tudo o que vivi e vi por lá. Mas ao invés de ficar no mimimi, vou aproveitar a nostalgia para contar a vocês sobre a cidade e indicar algumas coisas legais para fazer por lá... Okz?

Toronto, Canadá

Toronto é a maior cidade do Canadá e fica localizada na província de Ontario, a mais populosa do país. A cidade é a capital de sua província e a capital financeira do país, mas não é a capital do Canadá — que é Ottawa, cidade que fica 450km ao norte de Toronto. Com cerca de 2,8 milhões de habitantes, é considerada uma das cidades mais multiculturais do mundo e recebe milhares de imigrantes todos os anos. A cidade fica à beira do Lago Ontario, na região dos Grandes Lagos na América do Norte, e é o maior polo industrial, financeiro e de telecomunicações do Canadá. Além de ser uma cidade bastante segura — sua taxa de criminalidade é uma das menores do país — Toronto tem belas paisagens e conta com uma infra-estrutura de primeira...

E então? O que fazer por lá? Muitíssimas coisas! Vou dar algumas dicas de passeios legais e dos pontos turísticos mais famosos da cidade, mas essa é só a pontinha do iceberg... Coisa para fazer em Toronto é o que não falta. Não é à toa que a cidade é um dos destinos mais procurados por estudantes e turistas em geral. Vamos às dicas?

CN Tower

A CN Tower é a marca registrada de Toronto, não adianta. Além de ser uma das torres mais altas do mundo, é o ponto turístico mais famoso e mais visitado da cidade. Com 553,33 metros de altura, a CN Tower foi construída em 1973 para resolver constantes problemas de comunicações que aconteciam devido à construção de prédios e arranha-céus muito altos no centro da cidade. A torre tem 6 elevadores e possui o equivalente a 147 andares. A subida pelo elevador acontece em poucos segundos, levando os visitantes a um deck de observação com uma vista magnífica da cidade inteira...

CN Tower

Lá em cima, tem os famosos binóculos; vídeos falando de Toronto; o Glass Floor, um piso de vidro que permite que você "caminhe sobre a cidade" lá embaixo; e o EdgeWalk, uma plataforma aberta que deixa você passear ao ar livre a 356m de altura. Se você pagar um pouco mais, pode subir até o SkyPod, um ponto ainda mais alto da torre. O ingresso comum para a entrada na torre é de $32, mas vale muito a pena. E à noite, a vista é ainda mais linda.

CN Tower iluminada à noite...

Endereço: 301 Front Street West
Preço: $32 (Adulto)

Nota: Aconselho o almoço ou a janta no 360 Restaurant, que fica logo acima do deck de observação. A comida é deliciosa, apesar de um pouco cara pela quantidade que é servida nos pratos, mas compensa todo o gasto, pois o restaurante fica (literalmente) girando no eixo da torre enquanto você come. É sensacional...


Rogers Centre

Localizado logo ao lado da CN Tower, o Rogers Centre é um estádio de esportes (geralmente futebol americano e beisebol), mais conhecido pelos canadenses como SkyDome. O estádio foi inaugurado em 1989 e pode abrigar até 55 mil espectadores, dependendo do evento ou tipo de jogo que sedia. O diferencial deste estádio é que sua cobertura é totalmente retrátil, podendo ficar fechada ou completamente aberta. A troca de nome ocorreu em 2004, quando a empresa canadense Rogers Communications comprou o estádio, assumindo o nome Rogers Centre. Em 2015, o estádio será o palco das cerimônias de abertura e encerramento dos Jogos Pan-americanos de 2015, que serão disputados da cidade de Toronto.

Rogers Centre

Se você tiver a oportunidade de ir a um jogo ou show no local, eu recomendo bastante. Assisti o show do Jonas Brothers (me julguem!) e do Coldplay no estádio e achei espetacular. Para o show do Coldplay, comprei um dos ingressos mais baratinhos e fiquei sentada em um assento bem acima e longe do palco, mas mesmo assim a visibilidade era boa. #pobrefeelings

Rogers Centre e CN Tower

Ao lado da CN Tower, o Rogers Centre com sua cobertura parcialmente aberta...

Endereço: 1 Blue Jays Way
Preço: Varia conforme o evento


City Hall

O complexo da Prefeitura de Toronto é incrível... Acho que nem preciso falar muito, a foto já é suficiente. Os dois arranha-céus curvados, de alturas diferentes, envolvem um baixo prédio circular e ficam atrás de uma ampla praça e de uma piscina de água com arcos sobrepostos, que vira uma pista de patinação no inverno. Aprendi a visitar todas as City Halls quando eu viajo para lugares diferentes, pois geralmente são construções lindas e tem uma rica história.

Toronto City Hall

A obra arquitetônica foi feita pelo finlandês Viljo Revell (junto com outros arquitetos, paisagistas e engenheiros) e inaugurada em 1965, quando a antiga prefeitura foi desabilitada. Apesar de muito bonita durante o dia, a prefeitura se torna ainda mais bela à noite, com iluminação colorida.

Pista de patinação em frente à City Hall

Pista de patinação em frente à City Hall

E você que se organizou para visitar a prefeitura, dê a volta na quadra e passe também na antiga prefeitura, chamada de Old City Hall. Em contraste com a nova, o prédio de estilo neo-românico serviu como prefeitura dos anos 1899 a 1966 e atualmente é a sede das cortes judiciárias de Toronto. A torre, com um relógio no topo, tem mais de 100m e dá grandiosidade à obra.

Old City Hall

Endereço da City Hall: 100 Queen Street West
Endereço da Old City Hall: 60 Queen Street West


Casa Loma

A Casa Loma (nome proveniente do espanhol e que significa "Casa na Colina") é um castelo medieval de estilo neo-romântico, localizado na região central de Toronto, e foi a antiga residência do financista Sir Henry Mill Pellatt. Atualmente, o castelo é um museu de antiguidade e uma das atrações turísticas mais importantes de Toronto. Projetado pelo arquiteto E. J. Lennox, a Casa Loma levou 3 anos para ser construída e custou cerca de 3,5 milhões de dólares na época. Até 1914, era a maior residência da América do Norte. O castelo tem 3 andares, além de um nível subterrâneo, e possui planfletos, filme de apresentação e roteiro audioguiado em 8 idiomas. Além da casa, você ainda pode visitar o belo jardim da propriedade. Tudo lindo!

Casa Loma

Endereço: 1 Austin Terrace
Preço: $24 (Adulto)

Nota: Eu não visitei a Casa Loma quando morei em Toronto, porque sempre deixava para depois, depois, depois e quando eu vi, já não dava mais tempo. Mas acho que é um passeio insubstituível, pois a casa retrata bem os costumes da época e o estilo de vida dos canadenses (ricos) no início do século XIX.


Art Gallery of Ontario

A Art Gallery of Ontario, ou AGO, é um museu de arte que abrange mais de 80 mil obras, desde o século I até os tempos atuais. A galeria tem 45 mil metros quadrados e está localizada na famosa Dundas Street, no centro da cidade. Além de diversas obras de artistas canadenses, a galeria tem em sua coleção inúmeros itens da era Barroca e Renascentista, das culturas africana, oceânica e européia, e também arte moderna e contemporânea. São objetos históricos, iluminuras, pinturas, esculturas, livros, filmes, fotografias, artes gráficas, trabalhos de arquitetura, instalações, coleções especiais e exposições temáticas. O museu também oferece cursos de arte, promove visitas guiadas para escolas e grupos de pessoas, disponibiliza espaço para eventos e muito mais.

Art Gallery of Ontario

Perdi a conta de quantas vezes passei em frente à escultura da galeria e nunca a visitei, de fato. Hoje, obviamente, me arrependo. A fachada do prédio merece uma foto após o pôr do sol, pois fica toda iluminada e com um visual bem convidativo. Já está na minha listinha de passeios que pretendo fazer na próxima vez que visitar a cidade. :wink:

Art Gallery of Ontario

Escultura ao lado da Art Gallery of Ontario...

Endereço: 317 Dundas Street West
Preço: $19.50 (Adulto)


Harbourfront Centre

O Harbourfront Centre é uma organização cultural sem fins lucrativos e está localizado em vários pontos ao longo da costa do Lago Ontario, ou Toronto Waterfront, como é mais conhecida. A proposta do centro é promover atividades diversificadas que eduquem e entretam o público em geral. Os locais ficam abertos o ano todo (das 10h às 23h) e por lá acontecem feiras, festivais, cursos, palestras, exibições de arte, shows, entre outros. Além das atividades culturais, o centro tem uma infra-estrutura externa bastante elaborada e proporciona momentos de lazer e diversão a todos os visitantes gratuitamente.

Pista de patinação no Habourfront Centre...

Pista de patinação no Habourfront Centre...

Um dos lugares mais legais do centro que visitei foi o Simcoe WakeDeck, um deck de madeira ondulado e com um design altamente moderno. Estes decks estão espalhados pela waterfront e cada local tem o seu próprio desenho. De todos eles (são 4 ao todo), o Simcoe é o mais bonito, pois a ponte totalmente curva dá um aspecto bem descontraído ao ambiente.

viagem-toronto-wavedecks-1

viagem-toronto-wavedecks-2

Ainda na waterfront, você também precisa visitar o The Tall Ship Kajama, um navio velejante de 50m de comprimento e com 3 mastros que fica no cais e oferece passeios de 1h30 pela orla de Toronto. Existem 5 horários disponíveis para embarcar no navio e os passeios acontecem de maio à outubro. O valor do ingresso para adultos é de $23.95.

The Tall Ship Kajama

Endereço: 235 Queens Quay West
Preço do Passeio de Navio: $23.95 (Adulto)


Younge-Dundas Square

Esta praça é praticamente a Times Square de Toronto... Sério! Localizada no centro da cidade e em uma região de compras intensas, a Dundas Square (como é mais conhecida) é um espaço público, ao ar livre, dedicado a eventos culturais, shows, feiras e momentos de lazer para a população. Em sua volta, muitos letreiros luminosos e outdoors gigantes, que dão um colorido especial ao local, principalmente à noite. No verão, splashs de água brotam do chão e fazem a diversão das crianças, que correm de um lado para o outro em meio aos pequenos chafarizes.

Yonge-Dundas Square de dia...

A praça fica nos arredores de importantes prédios da região, como o Eaton Centre (centro de compras), o Atrium on Bay (prédio comercial), a Ryerson University, o Ed Mirvish Theatre e a sede da City TV, renomada emissora canadense. O local recebe cerca de 100 mil visitantes diariamente e virou um ponto turístico da cidade desde a sua construção, em 2002.

Yonge-Dundas Square à noite...

Endereço: 1 Dundas St East


Toronto Eaton Centre

O Eaton Centre é o maior centro de compras de Toronto e, pessoalmente, um dos meus locais favoritos. Com mais de 300 lojas (e alguns escritórios comerciais), o shopping recebe mais de um milhão de visitantes por semana. Ele pode ser acessado tanto pelo nível das ruas (existem diversas entradas espalhadas ao redor do shopping), como pelo metrô, pelas estações Dundas e Queens. No inverno, é uma ótima opção para passeio, pois você não precisa sair no frio para chegar até lá. Muitos dos prédios desta região são interligados subterraneamente e tem acesso pelo metrô. Bastante prático, né?

Toronto Eaton Centre

Se você é ligado em livros, esse lugar pode ser o paraíso... Uma das maiores lojas do shopping é a Chapters Indigo, a maior rede de livrarias do Canadá. O shopping tem outras lojas bacanas, como MAC, Forever 21, Aeropostale, Roots, Hollister, HMV, Abercrombie & Fitch, Best Buy, GAP, Aldo, Skechers, Ardene, H&M, Lacoste, Armani Exchange, Sephora, Banana Republic, Apple, além de uma enorme praça de alimentação.

Toronto Eaton Centre

Endereço: 220 Yonge Street


Toronto Islands

Toronto Islands é o conjunto de pequenas ilhas localizadas próximas à orla de Toronto, no Lago Ontario. É um local calmo e uma ótima opção para os dias de folga ou finais de semana. Existem diversas atividades culturais por lá e a vista que se tem de Toronto é maravilhosa. Para ir até lá, você precisa pegar uma balsa no Ferrydocks, que te levará até a ilha central em pouco mais de 20min. Descendo lá, você poderá explorar o local e aproveitar momentos de sossego e tranquilidade a poucos quilômetros da agitação da cidade...

Toronto Islands

Toronto Islands

Vista Skyline de Toronto, do outro lado do Lago Ontario...

Já do outro lado da ilha, você encontra uma praia... Sim, uma praia. Quando estive lá, eu quis tirar os sapatos e caminhar de pés descalços na areia. Foi um passeio rápido, mas muito legal. A ilha ainda tem belas praças, campos de "disc golf", jardins com atividades para crianças, um parque de diversão, uma minifazenda e até um farol, chamado Gibraltar Point Lighthouse. Encontrar o farol é um tanto complicado, mas chegando lá, o percurso vale a pena. É tudo muito bonito. Não deixe de visitar as ilhas... Você não se arrependerá.

A praia de Toronto Islands...

Endereço do Ferrydocks: 9 Queens Quay West
Preço da Balsa: $7 (Adulto)


Ontario Place

O Ontario Place é um complexo multiuso que fica à beira do Lago Ontario e é usado para diversos eventos culturais. Até 2011, existia um parque temático no local, mas foi fechado para reformas e revitalizações — deve abrir novamente em 2017. Atualmente, o espaço conta com três grandes atrações. A Marina, um pequeno pórtico para iates, botes e barcos recreativos; o Atlantis Pavilion, um grande salão de eventos com janelas de vidro do chão até o teto, revelando uma vista incrível para a cidade; e o Molson Canadian Amphitheatre, um espaço para shows e concertos ao ar livre. Além desses, existe também o Echo Beach, um grande palco para shows em uma grande área com areia, num total clima de praia.

Ontario Place

O Molson Amphitheatre fica aberto de maio a setembro (eles fecham no inverno, pelo fato de ser um local aberto) e recebe artistas de diversos estilos musicais, como rock, pop e jazz. O anfiteatro tem capacidade para 16 mil pessoas e, além das cadeiras numeradas, tem um gramado enorme na parte de trás, onde as pessoas ficam sentadas, mais à vontade, aproveitando o espetáculo à distância. É superdivertido!

Molson Canadian Amphitheatre, no Ontario Place

Nota: Eu, como uma verdadeira fanática por música e shows, fui ao Molson três vezes nos oito meses em que morei lá. Primeiro, assisti o show da Katy Perry, que canta bem para caramba ao vivo, e foi onde conheci a banda canadense Stereos, que abriu o show para ela; depois assisti o tudo-de-bom do Jason Mraz, que faz um espetáculo sensacional — ele sabe entreter uma plateia; e, por último, os caras do Blink 182, com participação do Fallout Boy e outras duas bandas. No show do Blink, eu comprei ingresso para ficar no gramado e choveu... Foi lindo! :stress:

Endereço: 955 Lake Shore Boulevard West


Royal Ontario Museum

Este museu é praticamente uma obra de arte por si só. Com uma fachada que mais parece cacos de vidro, este é um dos maiores museus da América do Norte. Ele possui uma ampla coleção de itens sobre a cultura mundial e história natural (tem mais de 6 milhões de itens e 40 galerias, com exposições temáticas). Lá dentro, você encontra esqueletos de dinossauros, amostras de minerais e meteoritos, arte africana, europeia e asiática, artigos sobre a história canadense, obras de design e artes finas (como pinturas, esculturas, fotografias, etc), roupas, entre outros. O museu funciona em parceria com a University of Toronto, compartilhando os recursos e conhecimentos entre si. O Royal Ontario atrai mais de um milhão de visitantes por ano.

Royal Ontario Museum

Endereço: 100 Queen's Park
Preço: $16 (Adulto)


OCAD University

Para os designers de plantão, esta é uma boa dica. Antes de ir para Toronto, este era um dos itens que já estava na minha lista de lugares para visitar, justamente por ser um prédio bem diferente e artístico. Enfim, esta é OCAD University, a maior e mais antiga escola de arte e design de Toronto. A sigla OCAD vem do seu antigo nome, Ontario College of Art and Design, quando ainda não havia se tornado uma universidade. O paralelepípedo gigante, com quadriculados em preto e branco e pilares coloridos e inclinados, é um anexo ao prédio principal e está suspenso a quatro andares do chão. O projeto, entitulado como Sharp Centre for Design, é do arquiteto Will Alsop e já recebeu vários prêmios de arquitetura pela sua autencidade.

OCAD University

OCAD University

Simplesmente incrível! :love:

Endereço: 100 McCaul Street


Air Canada Centre

O Air Canada é uma arena multi-uso coberta e que hospeda diversos eventos e campeonatos de esportes. O ginásio é a casa do famoso time de hóquei da cidade, o Toronto Maple Leafs; do time de basquete, o Toronto Raptors; e do time de lacrosse, o Toronto Rock. A arena é popularmente conhecida como ACC ou the Hangar. Além dos jogos desses três esportes, o Air Canada também realiza shows e peças de teatro, podendo variar sua capacidade de 5 mil para 20 mil lugares.

viagem-toronto-air-canada-1

viagem-toronto-air-canada-2

Endereço: 40 Bay Street
Preço: Varia conforme o evento

Nota: Passei milhares de vezes na frente e nunca consegui assistir nenhum evento lá. Queria ter assistido um jogo de hóquei... Mas para não dizer que nunca fui lá, uma vez eu entrei no prédio para perguntar ao pessoal se eu podia conhecer o estádio por dentro, mas o guarda disse que não era permitido. #fuen


Dundas Street

A Dundas Street é uma das ruas mais conhecidas do centro de Toronto e uma das poucas que segue ininterrupta do início ao fim dentro da cidade. A Highway 5, como também é conhecida, conecta o centro da cidade aos subúrbios da região oeste de Toronto, passando pela Chinatown, pela Little Portugal e se estendendo até a cidade de Saint George, a 93km ao sul de Ontario. E na Dundas St passam os famosos bondinhos vermelhos, que são ônibus elétricos e chamados de streetcars por lá. Recomendo uma caminhada para visitar algumas das lojas da rua e um passeio em uma das 11 linhas do bondinho dentro de Toronto. A experiência é, no mínimo, engraçada.

viagem-toronto-dundas-st

Os streetcars também fazem parte do sistema de transporte público de Toronto e podem ser usados como qualquer outro ônibus, inclusive em baldeações com outras linhas e com o metrô. A tarifa da passagem custa em torno de $3 atualmente.


Black Creek Pioneer Village

A Black Creek Pioneer Village é um museu ao céu aberto de Toronto, que retrata o estilo de vida dos habitantes da cidade por meados do século 19. O vilarejo fica bem ao noroeste da cidade, próximo à York University e à intersecção da Steeles Avenue e Jane Street. Lá você encontrará casas de madeiras, celeiros, igrejas, escolas, comércios, pousadas, cemitérios, moinhos de água e outras construções da época, algumas originais, outras realocadas ou reconstruídas. Além de ver diversos artefatos da época, você também cruzará por pessoas vestidas com roupas e vestidos antigos (funcionários do museu, claro). O nome da vila se dá por conta do Black Creek, um riacho que passa por dentro do local e torna o vilarejo ainda mais bonito. É um passeio bem diferente, mas bem divertido.

Black Creek Pioneer Village

Endereço: 1000 Murray Ross Parkway


The Beaches

E você achava que Toronto não tinha praias? The Beaches é um bairro da cidade, localizado bem ao leste de Toronto e que fica de frente para o Lago Ontario. Por ser um bairro mais antigo, você não encontrará por lá prédios altos e construções modernas. As casas, com estilos vitorianos e eduardianos, tornam o local muito aconchegante e destoam bastante do clima de cidade grande do centro de Toronto. Como o nome indica, o bairro tem uma pequena praia, formada pela baía de Ashbridge, e fica cheia de pessoas no verão. Você pode aproveitar para fazer uma caminhada à beira do lago, conhecer alguns parques e jardins da região (que são lindos) e a Leuty Lifeguard Station, que fica na Kew Beach. Ainda, mais ao leste, você precisa dar uma passadinha na R. C. Harris Water Treatment Plant, que é um local de tratamento de água da cidade e um dos prédios históricos de maior destaque, com seu estilo Art Deco. Lindo, lindo, lindo!

The Beaches, em Toronto...

Para chegar lá, você pode pegar um streetcar no centro da cidade, na estação Queens, e seguir na direção leste. Em poucos minutos, você estará em um local completamente diferente. E tenho certeza que sairá de lá apaixonado!


Toronto Zoo

Não deixe de visitar o zoológico de Toronto... Fundado em 1974, o zoológico tem 287 hectares de extensão e é o maior do país. O local é realmente enorme (vá de tênis e com uma roupa bem confortável, viu?) e tem desde girafas, elefantes, macacos, tigres, até pássaros exóticos, pandas, cobras, focas, lhamas e ursos polares. O zoológico é dividido por regiões demográficas e tem cerca de 5 mil animais, apresentando cerca de 500 espécies diferentes. Além disso, o local tem também ambientes de lazer, lanchonetes e até um hotel, para quem quiser dormir por lá. Vá preparado, porque são mais de 10km de trilha... E pegue um mapa na entrada no zoológico, assim ficará mais fácil localizar os animais que você deseja ver. :wink:

Toronto Zoo

Endereço: 2000 Meadowvale Road
Preço: $28 (Adulto)


Canada's Wonderland

O último item da lista não fica exatamente em Toronto, mas é um passeio bem recomendado. O Canada's Wonderland é um parque temático de 130 hectares, que funciona em Vaughan, cidade vizinha de Toronto, desde 1981. Foi o primeiro grande parque de diversões do Canadá e até hoje continua sendo o maior do país. O parque é o paraíso das montanhas-russas, apresentando 17 modelos diferentes e só ficando atrás de um outro parque nos Estados Unidos, que tem 19. Tem também um parque aquático, carrosséis, rodas gigantes, elevadores, pêndulos, corridas de kart, casas mal-assombradas, barco viking, carrinhos de choque e muito mais. Quando eu fui, fiquei o dia inteiro lá e não consegui andar em todos os brinquedos.

Canada's Wonderland

E no parque está uma das mais altas montanhas-russas do mundo, a Leviathan. Até 2012, a montanha-russa mais alta do Canadá era a Behemoth (também no Canada's Wonderland), com cerca de 70m de altura e atingindo uma velocidade de até 125km/h. A Leviathan, construída pela mesma empresa da Behemoth, tem mais de 93m de altura e atinge 148km/h em uma de suas descidas... São 3min e 28s de pura adrenalina. Eu, provavelmente, não teria coragem de andar nesta... É altura demais para a minha valentia!

Leviathan, no Canada's Wonderland...

Endereço: 1000 Murray Ross Parkway
Preço: $47,99 (Single Day Ticket)


A lista ficou longa, né? Mas o que importa é que o post está bem completo! Tive um pouco de dificuldade em selecionar os lugares, porque queria mostrar tantos outros também — fica para um segundo post, quem sabe. Também custei a escolher as imagens, porque tem cada foto linda desses lugares, que o ideal seria ter um post para falar sobre cada lugar e mostrar bem cada um deles. E vocês perceberam que a CN Tower aparece em quase todas as fotos? Pela sua altura e localização, ela se torna visível de vários cantos da cidade, tornando-se realmente uma marca registrada de Toronto...

Toronto

E aí? Ficou com vontade viajar para lá? Toronto é linda demais! Não vejo a hora de voltar...

Toronto, Ontario (Canadá)

Localização de Toronto no Canadá...


Sdds Canadá! <3

13 ago 2014

De volta aos estudos, pós-graduação e afins

Postado às 21:08 | 1 comentário
Categorias: Pessoal

Desde a metade de 2011, meu diploma de graduação só vem acumulando pó no armário e eu comecei a me sentir enferrujada por não estar mais estudando e aprendendo coisas novas. Tudo bem que eu precisava dar uma folga para a cabeça, terminar com aquela correria diária de casa-trabalho-faculdade, de não ter tempo para lazer ou até mesmo para respirar, mas a verdade é que eu já estava ficando com saudades de sentar em uma sala de aula e absorver tudo o que podia, de algo que me interessava.

De uns tempos para cá, comecei a me interessar por marketing, planejamento, gestão e planos de negócio, principalmente se eu conseguisse mesclar isso com todos os conhecimentos que já tenho de design, concepção e desenvolvimento de produtos. Levando isso em consideração, eu decidi mudar um pouco o meu foco de atuação e achei que começar uma pós-graduação nesta área pudesse ser uma boa ideia... No ano passado, comecei a reunir informações sobre cursos e universidades que eu poderia fazer na região onde moro e, após um telefone inesperado, acabei me inscrevendo para o curso de Master em Marketing na UniRitter de Canoas, cidade onde moro. Fiz a matrícula na quinta-feira e, no dia seguinte, já estava na aula.

Uniritter Canoas

Semana passada, nós concluímos o primeiro semestre do curso (1 de 3) e eu estou adorando... Minha cabeça já se abriu para novas ideias e estou usando muito do que estou aprendendo nos meus projetos pessoais. As quatro disciplinas cursadas até então são bem específicas da área de marketing e conseguiram me trazer para dentro desse mundo de planos e estratégias, que é onde eu quero estar. Quero aprender a melhor forma de usar minha criatividade e enxergar os resultados das minhas ações, atingindo objetivos e metas.

Design, design, design!

Quem me acompanha pelo tuinter, já deve ter lido que estou pensando em cursar mestrado no exterior muito em breve. Bom, depois que voltei a estudar, essa vontade só aumentou. Estou me interessando em começar a escrever artigos e mergulhar de cabeça nessa parte mais acadêmica das profissões, para me especializar cada vez mais. Um diploma de graduação não é suficiente, você precisa estar inteirado sobre tudo, ler muito e colocar em prática o que aprende apenas na teoria... Exercício mental constante, foco e disposição para adquirir novos conhecimentos por osmose, fotossíntese, leitura dinâmica, telepatia, FTP e o que for necessário... Hahaha! :tongue:

Comportamento do Consumidor, Branding, Posicionamento e Segmentação de Mercado, Gestão de Marketing e Vendas: esse é o meu mundo agora. Eu vou misturar design com marketing e fazer acontecer. As duas áreas tem muito em comum, se pararmos para pensar, mas elas não se substituem, não acontecem sozinhas, elas se complementam... E saber fazer essas duas coisas andarem juntas e darem certo é o que estou buscando agora. Eu quero trabalhar com marketing digital, mídias sociais, criação de ações e campanhas publicitárias, estratégias de comunicação, inteligência de mercado, pesquisas com consumidores e usuários e por aí vai. O mundo é muito grande para mirar apenas em um pontinho...

A mágica do design, marketing e estratégia...

Quero fazer a mágica... Estou me preparando e disposta a inovar, pensar diferente, empreender, lançar minhas ideias ao mundo. Será que chego lá? Veremos.